A VISÃO DEMOCRÁTICA (POR Celso Lungaretti )


A MARAVILHOSA MÚSICA POPULAR BRASILEIRA – 1 (antes de João Gilberto)

personA VISÃO DEMOCRÁTICA (POR Celso Lungaretti ) date_range11 Jul 2019 - 07h53

Shá algo de cuja qualidade o Brasil pode jactar-se é a sua música. 


 


A profunda miscigenação brasileira entre índios, africanos e europeus (estes últimos com predominância portuguesa e italiana) gerou um caldo de cultura do qual resultaram os mais variados e belos ritmos.


 


O samba é filho direto das batidas rítmicas dos tambores africanos, que foram adquirindo sonoridades as mais variadas até deixarem de ser a música proibida pelas elites racistas brasileiras, transformando-se na nossa identidade cultural maior.


 


O xote e o baião nordestinos, trazidos para o sudeste brasileiro pela voz de Luiz Gonzaga, tem um pé no vira português, ainda que se assemelhem também à batida rock’n’roll (que é do sul-estadunidense negro segregado), como dizia Raul Seixas, o mais autêntico representante da rebeldia brasileira do gênero. 



O rei do baião cantou a saga nordestina com força, brio e um balanço típico da região do semi-árido, tendo suas composições valorizadas pelas letras de Humberto Teixeira, Zé Dantas e outros conhecedores da realidade sertaneja. 




O chorinho é a simbiose da suavidade melódica da polca europeia com o ritmo apressado da batida dos tambores africanos, tão bem expressado por Joaquim Callado, Ernesto Nazareth e Zequinha de Abreu. 


 


O samba-canção é a mistura dos ritmos americanos e europeus com a malemolência do samba, capaz de embalar de modo melodicamente gracioso a mais profunda dor de corno, ao mesmo tempo fazendo o elogio à mulher como merecedora do amor mais profundo e visceral.



Este ritmo bem brasileiro teve em Nelson Gonçalves, Cauby Peixoto e Ângela Maria os seus mais expressivos intérpretes.




A música sertaneja, nos seus mais variados andamentos, é a expressão do Brasil profundo, com identidade própria, que vai do caipira Jeca de Mazzaropi até os atuais e sofisticados cowboys urbanos tupiniquins do centro-oeste brasileiro, que arrastam multidões aos palcos, sem qualquer complexo de inferioridade imitativa do country estadunidense.  


 


As nossas marchas carnavalescas, desde o século 19 (com Chiquinha Gonzaga e o seu “Ô abre alas”, e Zequinha de Abreu com seu famoso choro “Tico-tico no fubá”, até do repetidíssimo choro “Brasileirinho”, de Waldir Azevedo, já em 1947), se acrescem às marchinhas maravilhosas de Francisco Alves (o Chico Viola) e Orlando Silva (o cantor das multidões), que embalaram nossos carnavais como uma das maiores festas populares mundo afora, e correspondem a um fio melódico característico da nosso deboche momístico e à nossa alegria de viver, apesar de tudo... 




Que essa nossa capacidade de transcender a dor pela música e de fazer piada sobre o próprio sofrimento não sejam um dia apenas um forma de catarse, tornada desnecessária quando o Brasil proporcionar um viver confortável e digno para a maioria de sua população sofrida! 


 


A música brasileira é forte também nos ritmos internacionais consagrados. Tivemos, p. ex., um Carlos Gomes, paulista nascido em Campinas no ano de 1836, grande maestro e compositor reconhecido por obras como o seu espetacular “O Guarani”, que encantou o mundo e levou o italiano Giuseppe Verdi, seu mestre, a dizer questo Giovanni comencia dove finisco io (este jovem começa de onde eu termino).




Até Joan Baez gravou a ária da "Bachiana Brasileira nº 5", de Villa-Lobos



.

Que dizer de Heitor Villa-Lobos, o compositor brasileiro mundialmente reconhecido e capaz de fazer a ligação perfeita entre o chamado bel canto da música erudita com temas regionais, uma vez que pesquisou pessoalmente os ritmos do Brasil profundo para tematizá-los em sua magnifica e imortal obra?


 


Que dizer do maestro cearense Eleazar de Carvalho, que dividiu os palcos europeus com o lendário Leonard Bernstein? O Ceará, além de Everton Cebolinha no futebol, também engrandeceu o nome do Brasil musical mundo afora.




Chico Buarque reverenciando Noel, uma de suas maiores influências



.

Que dizer de Noel Rosa, o poeta da Vila Isabel, que, em poucos anos de vida, nos deixou um legado imortal de músicas que podem ser consideradas como a melhor crônica da brasilidade moldada nesse ritmo herdado da nossa ancestralidade afro-brasileira, o samba? 


 


Que dizer do carinhoso Pixinguinha, capaz de compor melodias inesquecíveis e de tocar vários instrumentos (flauta, saxofone, piano, etc.), que um dia foi obrigado a entrar pela porta dos fundos de um hotel luxuoso onde iria se apresentar e respondeu com sua “Lamento”, hoje reconhecida como um clássico da nossa música?




O samba tem precursores remontam à era do disco de cera e do rádio. Sua velha guarda é formada por Donga, João da Baiana, Sinhô, Heitor dos Prazeres, Ismael Silva, Elton Medeiros, Cartola, Nelson Cavaquinho, Mansueto e João de Barro, vindo depois outros compositores de ritmos variados como, Herivelto Martins, Jair Amorim, Evaldo Gouveia e tantos outros cujas músicas estão perpetuadas na nossa melhor memória afetiva e musical. 


 


Araci de Almeida, Emilinha Borba, Marlene, Dalva de Oliveira e Ademilde Fonseca compõem a galeria das grandes cantoras brasileiras que gravaram desde chorinhos, passando por sambas-canções e outros ritmos que hoje são clássicos da melhor música popular brasileira. 




Mas foi Carmem Miranda, nascida em Portugal em 1909 e chegada ao Brasil com meses de idade, quem se encarregou de mostrar ao Tio Sam, em primeira mão a qualidade da música popular brasileira, interpretando os sambas de Dorival Caymmi, Assis Valente, Aloisio de Oliveira, Ari Barroso e sua “Aquarela do Brasil” (gravada inicialmente por Francisco Alves em 1939, mas que correu mundo na voz da pequena notável). 


 


Coube a Carmem Miranda, interpretando “Taí”, de Joubert de Carvalho, obter o primeiro grande sucesso nacional radiofônico que projetou essa excepcional cantora-atriz no nosso cenário artístico. Essa brasileiríssima intérprete, com sua voz, trejeitos e requebros aliados a um mise-en-scene tropicalista, conseguiu o feito de colocar a MPB no topo do mundo.  





A "Aquarela do Brasil" apareceu até nos filmes de Walt Disney


.

Entre os anos de 1940 e 1950, Carmem Miranda foi a cantora-atriz a pagar a maior soma de imposto de renda entre todos os artistas estadunidenses, fato que por si só dá bem a dimensão da popularidade dessa artista de alma brasileiríssima, e especialmente carioca, já que toda a sua formação artístico-cultural se desenvolveu no Rio de Janeiro. (por Dalton Rosado)

(continua)



 




Sobre o autor

A VISÃO DEMOCRÁTICA (POR Celso Lungaretti )