O QUE DA NOTICIA (AOR OLIVEIRA)


ARIQUEMES E SEU ÍDOLO DE PÉ DE BARRO

personO QUE DA NOTICIA (AOR OLIVEIRA) date_range16 Abr 2018 - 16h23 location_onARIQUEMES

Os ídolos com pés de barro são aqueles que se pavoneiam pelas ruas, colocam-se, eles próprios, num pedestal, até porque só os pequenos precisam de pedestal para serem vistos, e dizem lá das suas alturas, em alta voz: «nós somos os maiores».



De facto, são os “maiores” na mesquinhez, na pequenez de sentimentos, que os fazem ser solidários apenas com quem lhes convém, e não com quem precisa. Praticam a política do faz-de-conta. Que é assim (como se usa dizer agora): faz-de-conta que somos; faz-de-conta que pensamos; faz-de-conta que sentimos; faz-de-conta que vemos; faz-de-conta que ouvimos; faz-de-conta que fazemos; faz-de-conta que vamos...



Pois bem é assim a política de Ariquemes, situação semelhante aos ídolos dos pés de barro. E numa ilusão mensurável procura transmitir ao povo inverdades postuladas no palanque.



E faz-de-conta que o povo acredita.



Então criam uma espécie de sociedade fictícia. Primeiro, vão eliminando, aos pontapés, pela calada, para não darem nas vistas, que é como quem diz, sorrateiramente, quem se lhes opõe; depois dão umas palmadinhas nas costas aos interesseiros, que precisamente por serem interesseiros, deixam-se, desse modo, aliciar voluntariamente; sorriem com sorrisos de orelha a orelha aos desconfiados, que perante um tal sorriso, e na dúvida, dão-lhes um benefício. Fato que acontece entre Executivo e Legislativo – quando vemos a submissão dos vereadores.   Quanto aos que não sabem e não querem saber, fazem-lhes promessas que não cumprem, mas esses têm a memória muito curta, e esquecem-se deste significativo pormenor, e na próxima vez, lá estão eles, a acreditar outra vez. Aos que têm medo, ameaçam-nos com tudo o que podem, subtilmente, para que os demais não se apercebam.



Aos outros, aos que não têm medo, arreganham-lhes as dentaduras, algumas postiças, outras com dentes dourados, outros furados, outros amarelos, pelo tempo que passam à janela da boca, ou mesmo branqueados com pastas dentífricas de luxo. Passeiam-se nos seus automóveis de milhões, e não passam cavaco senão àqueles que lhes fazem vénias, com hérnias e tudo.



Todavia, os ídolos com pés de barro têm uma vida efémera, como tudo o que é frágil, mas não sabem, ou fingem que não sabem. Vivem como se fossem eternos. Como se não estivessem destinados a morrer num amanhã, próximo ou longínquo, mas certo e seguro. Agarram-se aos tachos (não aos da cozinha, porque esses, estão destinados à grande maioria das mulheres) como a uma tábua de salvação, pensando que esses tachos são também eternos. Como se enganam esses ídolos! Um dia, quando menos esperam, basta um ligeiríssimo tremor na voz, para que caiam dos seus pedestais e se escaqueirem no chão, que tão pomposamente pisam.



E o que restará deles então? Fragmentos inúteis, que os vindouros juntarão, para que se faça a verdadeira e legítima justiça, e se reponha toda a verdade sobre o agora vigente Reino do Caciquismo.



AS RECLAMAÇÕES



Contribuintes continuam a reclamar do atendimento na UPA 24 horas, dizem que só tem um médico para atender uma gama enorme de gente, ai se classifica atendimento para adultos e crianças.



Pois é, esse é o jeito novo de fazer política.



A BRIGA DOS LOUCOS



O planeta terra poderá estar preste a iniciar a terceira guerra. O trio de loucos são os protagonistas do evento lunático – Donald Trump o psicopata da América, Vladimir Putin o lunático do gelo e o Bashar al-Assad o desvairado e inconsequente, ambos irão tocar fogo no planeta.



NOVOS NOMES



A lista para candidato a deputado estadual está cada vez mais extensa vejamos: além dos já anunciado temos agora – Mary Braganhol, Fábio o locutor dos rodeios, o acadêmico da Faema Carlos Albuquerque e poderão vir muitos ainda.



À federal, notícias que corre a boca miúda que não é a de Matilde falam que o atual Deputado Estadual Saulo Moreira deverá trocar de posto – dessa vez será candidato a Deputado Federal.



 



 



 


Sobre o autor

O QUE DA NOTICIA (AOR OLIVEIRA)