O QUE DA NOTICIA (AOR OLIVEIRA)


ARIQUEMES - FIM DE FESTA NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA

personO QUE DA NOTICIA (AOR OLIVEIRA) date_range02 Dez 2020 - 14h28 location_onARIQUEMES

Todo fim de festa acaba, com bêbados jogados pelos cantos, mulheres sonolentas, e quase nuas, com maquiagem borrada, garrafas e lixo pelos cantos, o bar quebrado. Não está diferente nas dependências da prefeitura municipal; parece que os portariados, entraram no modo “f***-se”. Só estou aqui esperando vencer o mês e ser exonerado por ter findado meu contrato como portariado. Atendimento de péssima qualidade, não fazem a mínima questão de resolver um problema simples de busca, Matilde ouviu de uma pessoa que foi verificar a situação de seu IPTU, o cidadão com falta de vontade mandou que a contribuinte subisse até ao departamento jurídico para fazer uma busca de endereço. No jurídico a moça pediu gentilmente que a contribuinte retornasse ao tal cidadão do guichê 5 para



que ele fizesse o trabalho que a ele cabia. Enquanto a contribuinte descia a escada e tentava respirar devagar para se acalmar, passou pela semds, e em algumas outras secretarias, uma aglomeração de pessoas, um brega tocando, pessoas comendo em meio aos processos, nunca tinha visto tanta gente inútil e sem ética por metro quadrado. O prefeito estava na porta do elevador acompanhado de seus seguranças e alguns baba ovos, vi que ele mesmo tá pouco se importa com a bagaceira, deixou o trem correr frouxo, o teto mofado, paredes se desfazendo, fiação exposta. Espelho d’água horrível de encardido, nada harmonioso, deprimente, olhar para o teto sujo e mofado, pior olhar para cara de cada atendente que não sabem nem o que estão fazendo. Estão ali matando o tempo, se o município não arrecada o suficiente, a culpa é de você gestor, que coloca seu cabo eleitoral para exercer uma função que ele não tem capacidade de exercer. Não adianta tapar o sol com a peneira. Saímos de lá com a esperança de que a nova gestão traga funcionalismo e não cabide de emprego. Que Deus nos ouça.



NÃO SOU BEM QUISTO, MAIS SOU CHEFE



Muitos funcionários imbuídos de cargos de chefia não obtêm o máximo potencial de suas equipes, e uma das causas disso é a dificuldade de comunicação e a falta de relacionamento entre chefe e subordinado. 



A confiança é uma via de mão dupla. Para funcionar, líder e liderados precisam confiar uns nos outros. É somente a partir disso os resultados serão potencializados.



E esse crescimento abre oportunidades e desafios com a criação de cargos novos, como coordenadores e gerentes. Em sua grande maioria, esses novos chefes ocupam a liderança pela primeira vez.



Investigando a causa, cheguei à conclusão de que uma das grandes razões para isso era o fato de que muitos chefes não conseguiam ganhar a confiança de seu time.



Agora você imagina um chefe que é excluído pelos demais funcionários por que não sabe trata-los com educação, triste e presumado é o Gestor que nomear pessoa com esse calibre para chefiar algum órgão, pode ter a certeza de que o fracasso de sua administração estará estampado nos maiores figurinos da política.



O RASTRO DEIXADO PELOS POLÍTICOS NA CAMPANHA



É de uma grandeza imensurável o aumento de contaminados pela Covid-19 após o termino da campanha política, causando óbitos e superlotando os hospitais, tudo isso por conta das aglomerações provocadas pelos candidatos é o ônus da causa da democracia. Agora quem se responsabiliza pelo aumento das despesas na saúde, fato este que rendeu uma comunicação do CREMERO – DIZENDO QUE AS PROXIMAS SEMANAS SERÃO CRITICAS E A PREVENÇÃO É O MELHOR CAMINHO.



Ora a irresponsabilidade do povo junto aos políticos trará consequências graves.


Sobre o autor

O QUE DA NOTICIA (AOR OLIVEIRA)