O QUE DA NOTICIA (AOR OLIVEIRA)


ARIQUEMES – PRIVILEGIO NA SAÚDE

personO QUE DA NOTICIA (AOR OLIVEIRA) date_range06 Jun 2020 - 08h07 location_onARIQUEMES

Enquanto centenas de pacientes esperam na fila por um exame marcado pelo sistema falido denominado SISREG – outros são privilegiados com mordomias expressa de uma administração conturbada entre erros e acertos.



No dia de ontem o bicho pegou lá pelo lado da saúde, foi Promotor de Justiça chamado, boletim de ocorrência, delegado no caso.



Os fatos – um paciente da rede SUS cidadão comum da sociedade precisou fazer um exame de endoscopia, e lhe foi dito que precisava marcar e só seria feito em Porto Velho, mais acontece que um Secretário do Município tinha acabado de fazer esse mesmo exame aqui em Ariquemes, e foi ai que a cobra fumou.



Vereador, Ministério Público, Policia e o caldo engrossou, agora restar saber quem vai beber essa gororoba, o Secretário de Saúde que permitiu esse tipo de ação? A diretora do Hospital Regional? Ou vai sobrar para o Prefeito que é o gestor público responsável por todos os atos praticados no âmbito da Prefeitura?



O rolo tá feito, e aí Arnaldo como fica?



FOGO DE PALHA



A pompa de como foi feito o lançamento da candidatura do delegado Camargo, sucumbiu na primeira esquina antes do vento soprar.



Na verdade, a decisão de Camargo de desistir da candidatura seja talvez por não ter a veia politica dentro de si. Camargo é um excelente policial, um profissional de um quilate de ouro, e por sua decisão de permanecer em sua função, agradou a comunidade ariquemense, e trouxe incomodação aos bandidos.



Assim sendo teremos a certeza que com a qualidade técnica de Camargo veremos muitos criminosos atrás das grades e a cidade te aplaude Delegado Camargo.



POLITICA E AMIZADE NÃO CONFUNDIR



Tem pessoas que são desnorteadas da cabeça e mais precisa se consultar com o Dr. Waldemar do que estar opinando sobre politica e confundindo as coisas, amizade se conquista ao longo dos anos e pela convivência; já o trato com a politica é um ato democrático que se compõe pela simpatia de um determinado candidato.



Portanto não há que se digladiar pela política, mais sim prevalecer a amizade.



VEREADORES



 Atualmente a classe política experimenta um descrédito popular de tamanha relevância que penso causar a perceptível instabilidade institucional que amplamente noticiada, preponderando o poder judiciário sobre os demais, com o auxílio do Ministério Público, isso quando este órgão por si só não se impõe sobre os detentores de mandatos e suas respectivas Casas.



Talvez a grande questão que motiva o descrédito do político é o nível de preparo técnico-político do eleito representante do povo. Aliado a este motivo, certamente a sanha dos meios de comunicação em denegrir a imagem do político, sustentados agora pelas redes sociais, e claro, pelo nível de desinformação ostentado pelo cidadão comum, que por vezes é manipulado por indivíduos que praticam projetos políticos de interesse particular num claro ato negativo em desfavor do executivo ou do legislativo. Ou seja, quem tem o poder e condição de informar, informa mal, contudo, também, não devemos nos esquecer que muitos políticos, por seus desvios sociais e políticos alimentam a informação negativa.



Logo, surge uma batalha desigual entre o político despreparado e a mídia em informar a sociedade. Daí a extrema necessidade de aperfeiçoamento técnico-político, pois somente desta forma o político estará apto ao debate, em todos os seus níveis e, esta necessidade é imposta a todos os membros de um colegiado como uma câmara de vereadores, de modo que basta um indivíduo despreparado e contestado, que contaminado estará todo o grupo.



Percebam que a necessidade acima colocada não trata de buscar regular e adequar a consciência e as opiniões pessoais de cada indivíduo, mas dotar o indivíduo de capacidade técnico-política para expressá-las, gerando um poder de convencimento do acerto do seu legislar.



Finalizando, o ponto central da problemática social em relação ao político, e especificamente ao vereador, é a falta de percepção do cidadão da necessidade de existência daquele que exerce a atividade política, como qualquer político eleito e, isto ocorre por falha de procedimento e conhecimento político-legislativo. Então, a solução é a especialização técnico-política que certamente resultará em benefício da comunidade, expressado pelos trabalhos legislativos daquele que verdadeiramente está aos olhos do povo, o vereador!



CORTO NA BALA



Com recente decisão judicial em favor da Energisa que a mesma pode cortar a energia em tempos de pandemia dos consumidores inadimplentes, Matilde ouviu de um cidadão que revoltado com o que foi prolatado pelo senhor de toga preta, disse: “se forem cortar minha energia, e eu estiver em casa eu corto na bala quem estiver cortando.”



Primeiro – que vai pagar por uma ação desconexa judicial é o funcionário da Energisa que nada tem a haver com o caso, esta ali para cumprir com sua obrigação e obedece a ordens.



Segundo quem tem de pagar é quem autorizou o corte.


Sobre o autor

O QUE DA NOTICIA (AOR OLIVEIRA)