NOÇÕES DE POLITICA - Humberto Pinho da Silva


DESPREZO E INGRATIDÃO

personNOÇÕES DE POLITICA - Humberto Pinho da Silva date_range19 Nov 2019 - 05h25

Não sei o que dói mais: se a ingratidão se o desprezo.



Durante anos, considerei: a maior afronta que se pode fazer, a quem nos fez bem, é a ingratidão.



Lembrava-me da passagem evangélica, dos dez leprosos:



Uma vez curados, afastaram-se alegremente. Todavia, um, veio atrás, e agradeceu, a Jesus, o ter sarado.



Prostrando-se a Seus pés, com o rosto em terra, deu-Lhe graças.



Respondeu-lhe Cristo:



- “Não foram dez os curados? E só um voltou, para agradecer?



E voltando-se para o samaritano, disse-lhe: “ Levanta-te. A tua fé te salvou.” - Luc 17:11,19.



O nosso clássico, D. Francisco Manuel de Melo, em “ Relógios Falantes” conta o curioso caso de alguém, que tendo recebido um favor, não mais procurou, quem lhe tinha feito mercê, nem lhe tirava o chapéu:



“ Toparam-se um dia na Rua Nova de Palma, que é longa e estreita e sem travessa.



“ Um vinha, outro ia. Tanto que o requerente ou despachado viu o valido, voltou o cavalo. O valido apressou o seu. O requerente trotou; trotou o valido, também. Ele correu; correu o valido do mesmo modo e dizia, gritando:



“ - Parai senhor Fulano, e dizei-me se isto é verdade!



“ O requerente sem parar, lhe dizia, correndo:



“- Sim senhor; isso agora é verdade, que o passado era mentira.”



Comportamento igual, têm muitos, que recebido a mercê, se afastam: Estão servidos; para quê ficar grato?



Por vezes, chegam a dizer: “ Não preciso dele para nada! …”Mas precisaram….



Está sepultado no Brasil, Professor, notável político, que antes de morrer declarou não desejar, que, após o falecimento, o trouxessem para o Pátria.



Porque compatriotas, a quem fizera enormes favores, vendo-o em desgraça, esqueceram o dever da gratidão. Fizeram como o homem, que corria, a bom correr, pela Rua Nova de Palma…



Mas, se a ingratidão, fere, o desprezo, parece-me, agora, ainda mais cruel.



Em “ Reflexões Sobre a Vaidade”, Matias Aires (escritor do séc. XVIII), assevera: “Não há maior injúria que o desprezo; e é porque o desprezo todo se dirige, e ofende a vaidade.”



Desprezar, é o mesmo que dizer: Não mereces qualquer respeito; és insignificante…



Além de falta de educação, ofende fortemente o orgulho, o íntimo da alma.



Tive companheiros de infância, que por terem subido na sociedade ou por terem nome aburguesado, deixaram de serem amigos… passei a conhecido! …



Recordo, o pensar de Francisco, personagem de: “ Mistérios de Fafe” de Camilo, referindo-se ao facto do fidalgo, não dar confiança à mulher, companheira de infância, comentava:



“- Criança como criança e homem como homem. Bem vês quem ele é, o Senhor fidalgo, e tu és a Rosa, mulher do espingardeiro…”



Conhecido rapaz, filho de modesto trabalhador, que foi estudar para Coimbra, quando se licenciou, deixou de acompanhar o pai. Mudava de passeio se o encontrava, na rua.



Envergonhava-se. Era, então, advogado, casado com menina de Papá…



Desprezo e ingratidão, são, para mim, as maiores afrontas que se pode fazer.



Mas, o mundo é assim: a amizade é, quantas vezes, meio de usar amigos e conhecidos, como escada. Uma vez no topo…não precisam deles para nada…



Será que não?


Sobre o autor

NOÇÕES DE POLITICA - Humberto Pinho da Silva