A VISÃO DEMOCRÁTICA (POR Celso Lungaretti )


É A HORA DA VERDADE PARA A ESQUERDA: PORQUE FOMOS REDUZIDOS A UMA TERRA ARRASADA, TEMOS DE RECONSTRUIR TUDO!

personA VISÃO DEMOCRÁTICA (POR Celso Lungaretti ) date_range11 Jan 2020 - 13h58

Já no final do século passado eu me convenci da impossibilidade de conseguirmos despertar a consciência de contingentes mais expressivos da população para a necessidade e urgência da superação do capitalismo, não só como requisito indispensável para a felicidade e realização plena dos seres humanos, como também para a própria sobrevivência da humanidade.


 


Isto porque, como alertara Marcuse, a lavagem cerebral ininterrupta e cada vez mais eficaz da indústria cultural e a obsessão consumista manteriam a falsa consciência do rebanho, evitando que, por decisão consciente, resolvesse tomar seu destino nas mãos para, aproveitando racionalmente os avanços científicos e tecnológicos de nosso tempo, forjar uma sociedade igualitária e livre. 


 


Sem poderem encontrar a saída do inferno atual, as pessoas comuns tendiam a continuar indefinidamente patinando sem sair do lugar, confiando em populistas de esquerda na linha dos pais dos pobres e em populistas de direita na linha dos salvadores da pátria.


 


Ambos coincidem em serem desprovidos de soluções reais e em estarem conscientes de que, se e quando as ditas cujas surgirem, eles próprios se evidenciarão obsoletos e vão ser descartados, daí tudo fazerem para manter a polarização retrô atual, aliados que são na empreitada de abortar o futuro.


 


Mas, refleti, continuava existindo a possibilidade de, em momentos de aguda desestruturação da sociedade (como os que propiciaram as revoluções soviética, chinesa e cubana), agrupamentos menores mas conscientes de onde querem chegar e da melhor forma de atingirem seus objetivos, conseguirem direcionar os acontecimentos para a ruptura necessária.











"aliados na empreitada de abortar o futuro"


 


Foi quando comecei a apostar minhas fichas numa repetição ampliada dos movimentos que pipocaram por diversos países em 1968. E, efetivamente, o que mais tem abalado o stablishment, neste século 21, são tais explosões de anseios de vida represados por uma sociedade cada vez mais tendente à morte. 


 


Diferentemente da claque do capitalismo, eu tenho perfeita noção de que a crise derradeira do regime da exploração do homem pelo homem vem sendo postergada há décadas por meio de gambiarras, mas não poderá ser evitada para sempre; e de que, quanto mais ela demorar, mais devastadora será. 


 


A grande depressão da década de 1930 parecerá brincadeira de criança perto da que está para ocorrer.


 


E jamais serei tão ingênuo a ponto de acreditar que o sistema seja capaz de, antes do início das grandes catástrofes que já se anteveem no horizonte, reverter a tendência de aumento incessante do aquecimento global. Afinal, até agora nem sequer conseguiu impor o fim do transporte individual movido a combustível fóssil. 


 


Gostaria de estar trazendo esperanças aos meus leitores, mas de que me adiantaria redigir verdadeiros tratados se hoje a grande maioria dos brasileiros enterra a cabeça na areia como as avestruzes e quer porque quer acreditar que:


— o capitalismo possa ser humanizado por meio do voto e, consequentemente, ainda valeria a pena participarmos de eleições de cartas marcadas; 


— as reformas liberais do mercador de ilusões Paulo Guedes sejam remédios eficazes e não apenas paliativos de efeitos homeopáticos e de curta duração, pois a crise ininterrupta do capitalismo desde 2008 sinaliza o seu esgotamento definitivo e o imperativo de sua superação;











"paliativos de efeitos homeopáticos e de curta duração"


— a imposição de um autoritarismo tosco e o fim da corrupção política trariam benefícios remotamente comparáveis aos prejuízos sociais que acarretam ao propiciarem a escalada desembestada da ignorância e da truculência; 


— o eu por mim e o diabo por todos dos identitários seja algo além de uma dispersão das forças que deveriam estar todas unidas na luta contra o inimigo comum, caso contrário nenhuma conquista que uma delas obtenha sozinha estará garantida;


— Deus esteja presente nos suntuosos templos em que espertalhões oficiam o culto ao bezerro de ouro, etc.


 


Tudo isso posto, voltemos à pergunta crucial do Lênin: o que a esquerda deve fazer?


 


Não há caminho fácil à vista. Estamos extremamente inferiorizados, então nossa prioridade óbvia é a acumulação de forças. 


 


Já que descemos ao fundo do poço, trata-se do momento ideal para nos guiarmos por Carlos Dittborn que, quando um terremoto destruiu a infra-estrutura com que o Chile contava para sediar o Mundial da Fifa de 1962, afirmou: "Porque nada tenemos, lo haremos todo". Então, como a esquerda se tornou uma terra arrasada, é hora de reconstruí-la toda.


 


De voltarmos a nos organizar para as lutas sociais e para a resistência ao neofascismo por todo o território brasileiro, não para a disputa de eleições inócuas a cada dois anos (até porque os donos do PIB viram a mesa como e quando querem, conforme aprendemos em 2016) e coçar o saco no intervalo entre uma campanha eleitoral e outra.











Rumando para inevitáveis explosões sociais


De passarmos a encarar as instituições e Poderes da democracia burguesa tão somente como ferramentas táticas, e não como prioridades estratégicas. 



Enquanto for possível, devemos utilizar as contradições no seio da classe dominante para evitar o pior (chacinas, volta da censura, devastação ambiental, etc.), mas sem nenhuma ilusão de que as teremos ao nosso lado nos momentos de agravamento das crises econômica e política.


 


E, acima de tudo, de irmos forjando uma nova vanguarda, que possa fornecer um norte aos brasileiros nos difíceis tempos que o país atravessará quando as bombas-relógio já acionadas acarretarem as inevitáveis explosões sociais.



A estupefação e a pasmaceira vêm desde 2016; ou recuperamos a combatividade perdida ou marcharemos para a insignificância. O tempo urge!


 




Sobre o autor

A VISÃO DEMOCRÁTICA (POR Celso Lungaretti )