PAINEL POLITICO (ALAN ALEX)


Lebrão segue candidatíssimo à presidência da ALE “Eyder só tem o voto dele”

personPAINEL POLITICO (ALAN ALEX) date_range11 Jan 2019 - 08h19

Suposta interferência do governador mais atrapalha do que ajuda. E ainda, governo pretende nomear capitão da PM, sem nenhuma relação com a educação para dirigir escola Abaitará, em Pimenta Bueno



 



Suposta interferência do governador mais atrapalha do que ajuda. E ainda, governo pretende nomear capitão da PM, sem nenhuma relação com a educação para dirigir escola Abaitará, em Pimenta Bueno



Menina dos olhos



Escola Abaitará, do governo do Estado instalada em Pimenta Bueno era a “menina dos olhos” do ex-governador Confúcio Moura (MDB) que sempre falou com muito carinho da instituição. É uma escola agrícola, que atende cerca de 300 alunos, de 39 municípios, incluindo 13 etnias indígenas e quilombolas. Funciona em regime de internato, também na modalidade integral. E sempre operou sem problemas.



Porém



O novo governador supostamente teria achado de mexer exatamente onde está funcionando. Circula a informação de que ele pretende nomear para diretor da escola um capitão da PM que não tem nenhuma experiência com o ensino e a justificativa é que “ocorreram casos de gravidez precoce e os alunos precisam entrar na linha”. Só que a justificativa é furada. Duas alunas, índias, que já ingressaram grávidas na instituição estão sendo usadas como pretexto, que é furado. O capitão seria ligado a prefeita de Cacoal, Glaucione e teria partido de lá a indicação.



Marcos Rocha



Pelo jeito está imitando até os erros de Jair Bolsonaro, ao indicar pessoas sem experiência em determinadas áreas para cargos importantes (vide a confusão que está no caso APEX). Governador, a educação precisa ser tratada com carinho, ainda mais quando se trata de instituições que funcionam. Questões ideológicas não devem ser levadas em consideração quando se trata dessa temática tão sensível.



Tocando o terror



Emissários que se dizem “do governo” andam espalhando todo tipo de boatos sobre a eleição da Mesa Diretora da Assembléia. Por enquanto Marcos Rocha não se posicionou diretamente, mas vem permitindo postagens de fotos suas e “apoios” a candidatura de Eyder Brasil levando seu nome. 



“Ninguém solta a mão de ninguém”



O problema é que com essa interferência ostensiva, os deputados estão mais unidos e não querem nem ouvir falar em acordo com o governo. Se for verdade que Rocha está “fechado” com Eyder, a situação vai ficar ruim para o governo depois de fevereiro. Há que se respeitar a independência dos poderes, e isso não está sendo levando em conta pelo grupo supostamente governista. 



E tem mais um agravante



Ninguém vai apoiar candidato governista a troco de nada. Se Eyder levar a presidência, por um daqueles acidentes que acontecem no meio do caminho, ficaria evidente que Marcos Rocha fatiou o governo com os deputados aliados de seu suposto candidato.



Porém



Tudo estaria muito bem, exceto por um detalhe, Lebrão segue candidatíssimo ao cargo de presidente da Assembleia e disse que se Eyder for realmente para a disputa ele vai ter apenas um voto, o do próprio Eyder. Na rádio corredor, circula a informação que Marcos Rocha teria chamado alguns deputados (não nominados)  e teria dito a eles que era para elegerem Eyder Brasil porque “o Bolsonaro mandou”. Quem tem acompanhado o dia a dia do presidente sabe que ele anda às voltas com problemas bem mais complexos.



Ninguém gosta de mim



O Ministério Público do Rio de Janeiro deve ser um local muito ruim, afinal, ninguém quer ir por lá. Fabrício Queiroz, o motorista mais bem sucedido do Brasil foi “convidado” e não apareceu. Sua esposa e filhas também foram “convidadas” e também não foram e nesta quinta-feira o filho pródigo Flávio Bolsonaro, deu bolo e disse que “só vai depois de ver o processo“. Assim fica difícil crer que “a lei é para todos”…



Insulina e sulfonilureias aumentam risco cardiovascular no diabetes



O uso de insulina ou sulfonilureias como tratamento de segunda linha para adultos com diabetes tipo 2 está associado ao aumento do risco cardiovascular, enquanto o uso das novas classes de hipoglicemiantes não está, indica uma nova pesquisa nos Estados Unidos. Os resultados, provenientes de uma análise retrospectiva de dados administrativos de pedido de reembolso nacionais, foram publicados on-line no periódico JAMA Network Open pelo Dr. Matthew J. O’Brien e colaboradores, ele, médico da Divisão de Medicina Interna Geral e Geriatria do Departamento de Medicina da University Northwestern Feinberg School of Medicine em Chicago, Illinois. Entre os mais de 130.000 adultos com plano de saúde e quadro de diabetes tipo 2 que precisaram de um segundo hipoglicemiante após a metformina, o uso de insulina ou sulfonilureias foi sistematicamente associado a comprometimento cardiovascular em comparação com os inibidores da dipeptidil peptidase 4 (DPP-4), que demonstraram exercer um efeito cardiovascular neutro. Por outro lado, os agonistas do receptor do peptídeo-1 semelhante ao glucagon (GLP-1, sigla do inglês Glucagon-Like Peptide-1), os inibidores do cotransportador de sódio-glicose 2 (SGLT2, do inglês Sodium-Glucose Cotransporter 2) e as tiazolidinedionas (TZD) não foram associados a comprometimento cardiovascular em comparação com os inibidores da DPP-4, mas também não produziram o mesmo benefício cardiovascular significativo demonstrado nos desfechos dos ensaios clínicos randomizados com esses medicamentos para os pacientes com diabetes tipo 2 e doença cardiovascular comprovada. Essas populações de alto risco são tipicamente necessárias para alcançar o poder estatístico exigido pela Food and Drug Administration norte-americana para os ensaios clínicos sobre desfechos cardiovasculares, mas não são representativas da população adulta com diabetes tipo 2 como um todo, na qual apenas 18% têm doença cardiovascular comprovada. Além disso, os ensaios clínicos sobre desfechos cardiovasculares são feitos com apenas um medicamento em comparação ao placebo.


Sobre o autor

PAINEL POLITICO (ALAN ALEX)

Alan Alex Benvindo de Carvalho, é jornalista brasileiro, atuou profissionalmente na Rádio Clube Cidade FM, Rede Rondovisão, Rede Record, TV Allamanda e SBT. Trabalhou como assessor de imprensa na SEDUC/RO foi reporte do Diário da Amazônia e Folha de Rondônia é atual editor do site www.painelpolitico.com. É escritor e roteirista de Programas de Rádio e Televisão. .