NOÇÕES DE POLITICA - Humberto Pinho da Silva


O VALOR DE UMA OBRA

personNOÇÕES DE POLITICA - Humberto Pinho da Silva date_range20 Jun 2020 - 11h33

Naquela fria e sombria manhã de Inverno, do ano de 1967, estava à porta da “Livraria Silva”, na Praça de Sé, quando passa, de reluzentes divisas doiradas, o sargento Mário. Homem de lábios grossos, estatura meã, rosto levemente queimado pelo abrasador sol de Bragança, que descia, despreocupado, em direção ao velho: “ Chave Douro”.



Cumprimentei-o com cortesia, curvando levemente o busto, lançando afetuoso e quase impercetível: “bom-dia! …”



Estacou. Mirou-me de cima a baixo, tomando expressão de espanto:



- Então ainda por aqui!? Pensei que estava no Porto?! …



- Parto dentro de horas, na automotora…Aproveito para examinarem o relógio. Dei-lhe corda…e nada! … - Disse, mostrando-o, na palma da mão.



Caía neve miudinha. Fazia vento gelado, vindo da Sanábria, que cortava impiedosamente a epiderme. O céu era sombrio, cor de cinza.



Deambulavam, melancólicos, pela Praça, vultos rebuçados, no aconchego de lúgubres gabões, arrastando e sulcando, a lentos passos, a fofa neve, que tudo embranquecera, em grosso rolão, na enregelada madrugada.



A cidade mergulhara em misterioso silêncio; dir-se-ia, que, a passarinhada, tolhida pela friagem, emudecera nessa triste manhã de Inverno.



Pouco depois, segurando a velha mala de cartão endurecido, comprada na Baviera, acomodava-me na automotora, a caminho do Tua.



Apressei-me a visitar a pequena relojoaria, que ficava nas cercanias da Sé do Porto.



Mirou-o com ar de entendido. Entalou a potente lente, sem aro, nas pestanudas pálpebras, e levou-o para a banca de trabalho, escarafunchando o mecanismo.



Decorridos escassos minutos, o Senhor Júlio – relojoeiro da família, – entrega-me, o relógio, com o tic…tac….bem cadenciado.



Por delicadeza, perguntei-lhe, quanto lhe devia.



E quando aguardava aperto de mão, e indicação, que nada era. Este, com rosto cheio de risos, declarou:



- Apenas cinco escudinhos…



Regressei amuado: cinco escudos, por cinco minutos! …



Já embarcado, no velho comboio do Douro, ainda remoía, indignado, o “atrevimento” do descarado relojoeiro.



O tempo passou. Decorreram mais de cinco décadas. Envelheci, sem dar por isso; e descobri o “atrevimento” ou a “sovinice” do pobre relojoeiro.



Ao ler Cruz Malpique, em: “ Vocação e Profissão “, encontrei o episódio, entre Vernet, pintor francês, e o dono de célebre cavalo de corrida.



Recebera o pintor encomenda de retratar o magnifico cavalo. Vernet completou a obra em dez sessões! …



Concluída, pediu: cinquenta mil francos…



- Cinquenta mil francos, por dez sessões?! - Disse o dono do cavalo.



- Não. - Retorquiu, empertigado, o pintor. - Nesta obra está o que aprendi durante quarenta anos! …


Sobre o autor

NOÇÕES DE POLITICA - Humberto Pinho da Silva