O GRITO DO CIDADÃO (ANTUÉRPIO PETTERSEN FILHO)


PONTE RIO-NITERÓI : “SNIPE DAY NO RIO DE JANEIRO...”

personO GRITO DO CIDADÃO (ANTUÉRPIO PETTERSEN FILHO) date_range21 Ago 2019 - 07h05

Aqueles que embarcaram na manhazinha de 20/08/2019, do Bairro de Alcântara, em Niterói, para o Centro do Rio de Janeiro, por sobre a Baia da Guanabara, via Ponte Rio-Niterói, sequer por mero lampejo, poderiam imaginar que suas vidas seriam interrompidas, aproximadamente às 05:25 horas da manhã, quando um dos cerca de 37 passageiros do Ônibus Galo Branco foi rendido por um dos passageiros, munido de uma arma de brinquedo, é o que tudo indica, um dispositivo de choque elétrico, e algumas garrafas pet de gasolina, quem atravessando o ônibus em meio à Ponte, parou toda a Cidade, e por cerca de três horas, enquanto libertava um e outro refém, foi finalmente abatido por um Atirador “Snipe” da Polícia Militar, demonstrando, ao vivo e a cores, o quanto pode ser Letal o Aparato Defensivo do Estado Brasileiro, diante de tal embate, em que um Homem, aparentemente com problemas de deficiência mental, foi o estopim, e a afirmação mais nítida, do Novo Estado Brasileiro, Justicialista e Impositivo, do Governador Witzel e do Presidente Jair Bolsonaro.



 



Caso absolutamente isolado, improvável, e atípico, bastante distante da real violência praticada na Cidade do Rio de Janeiro, de desigualdade de renda e injustiça social, como em menor grau no resto do País, em que o Inimigo não é um Cidadão Insano, Jovem e Transtornado, sem qualquer vestígio de ligação com o Crime Organizado, o Trafico e a Milícia, verdadeiros vilões da Cidade, munidos de Armas de Calibre Pesado e Proteção Institucional, bem ao contrário do Passageiro Rebento da Linha Galo Branco, de fato, o Fato trouxe imediatamente à baila a novíssima orientação da Polícia Brasileira, do “Atirar Primeiro e Perguntar Depois”, no caso, infelizmente,  até penso, fim provável e realista para o Evento, mau menor que o incendiamento de outras 37 pessoas, ao invés da Vitima única, o próprio Atirador alvejado pela Polícia, mas o espetáculo que se seguiu ao Abatimento do Homem, com direito ao Governador do Rio de Janeiro, em proselitismo Político, foi logo colher os louros da sua aparente Vitória, pousando em plena Ponte de Helicóptero, eufórico e ofegante, em que o Bandido foi aniquilado, e em que o próprio Presidente Bolsonaro reafirmou a Política de Estado do Tiro Fatal em notórios bandidos, mas não in casu, cuja orientação é perpassada aos seus comandos.



Assim, Implacável e Destemido contra o Humilde Homem, Louco e Desvairado, porém Temeroso em encarar o próprio, e verdadeiro Crime, nas Favelas e Morros da Cidade, quando não, os Colarinhos Brancos de Brasília/DF, cujo desfechamento possivelmente seria outro, com Resposta Armada e Represália Política, fica, ao fim, a tênue sensação de Justiça adquirida no episódio, pelo menos na Telinha da Televisão, a Editada no caso do Sequestro do Galo Branco, em plena Ponte Rio Niterói, Ponte essa que não leva, nem Niterói ao Rio de Janeiro, ou vice versa, e nem o Brasil a lugar algum....



Para mim, Justiça e Segurança Pública são outra coisa, e não o Dia de Fúria encenado hoje!



 


Sobre o autor

O GRITO DO CIDADÃO (ANTUÉRPIO PETTERSEN FILHO)

ANTUÉRPIO PETTERSEN FILHO, MEMBRO DA IWA – INTERNATIONAL WRITERS AND ARTISTS ASSOCIATION É ADVOGADO MILITANTE E COLABORADOR DO SITE QUENOTÍCIAS, É ASSESSOR JURÍDICO DA ABDIC – ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE DEFESA DO INDIVÍDUO E DA CIDADANIA, QUE ORA ESCREVE NA QUALIDADE DE EDITOR DO PERIÓDICO ELETRÔNICO “ JORNAL GRITO CIDADÃO”, SENDO A ATUAL CRÔNICA SUA MERA OPINIÃO PESSOAL, NÃO SIGNIFICANDO NECESSARIAMENTE A POSIÇÃO DA ASSOCIAÇÃO, NEM DO ADVOGADO.