RD POLITICA ( WC e redação)


Terceiras vias na BR 364 ajudarão, Cacoal abre frentes de trabalho no verão, Porto Velho é a 100ª no ranking de esgoto

personRD POLITICA ( WC e redação) date_range19 Abr 2018 - 14h40

BR 364 – Uma das notícias mais importantes deste início de ano foi a do ministro dos Transportes, Portos e Aviação, Valter Casimiro Silveira, na Comissão de Serviços de Infraestrutura do Senado Federal na audiência pública realizada ontem (17) envolvendo a BR 364, principal rodovia federal que corta Rondônia. O ministro reconheceu a precariedade da rodovia e informou que já está contratada empresa para execução de 50 quilômetros de terceira faixa em trechos críticos da rodovia. Não é uma solução, mas ajudará muito. E o fundamental: as obras estão licitadas.



BR 364 II – A 364 é o único canal para exportação dos grãos (soja e milho) produzidos no sul do Mato Grosso e em Rondônia. Durante a safra circulam mais de 2 mil carretas diárias transportando a produção para o porto graneleiro de Porto Velho, por isso a rodovia precisa de atenção especial. As obras de terceira faixa no trecho Vilhena/Pimenta Bueno. Cacoal/Presidente Médici, Jaru/Ariquemes são um paliativo, mas ajudarão a fruir o trânsito. Políticos, entidades constituídas e segmentos organizados da população deveriam se unir à bancada federal, para pressionar pela duplicação de Porto Velho a Vilhena, trecho de aproximadamente 700 km.



Trabalho – A prefeita de Cacoal, Glaucione Rodrigues (MDB) colocou o pessoal de campo ao trabalho com o fim da temporada de chuvas (inverno amazônico). Os serviços de patrolamento e encascalhamento de ruas e avenidas, limpeza do cemitério municipal, restauração do asfalto na avenida das Comunicações, Monteiro Lobato e Suruí, além de limpeza e conservação do Parque Sabiá são as frentes de trabalho abertas esta semana. A prefeita e seus assessores terão muito trabalho durante o verão (seca), pois é grande o número de ruas e avenidas pavimentadas ou não, que estão carentes de recuperação.



Esgoto – A precariedade do saneamento básico em Porto Velho e na maioria dos municípios de Rondônia é uma triste realidade. Problema dos mais sérios para o prefeito Hildon Chaves (PSDB) e sua equipe, mas de difícil solução. O site G1 publicou esta semana matéria sobre um novo estudo do Instituto Trata Brasil que demonstra a realidade do sistema de esgoto no País, onde 55% do material coletado são jogados na natureza.



Ranking – Os dados são do Sistema Nacional de Informações sobre Saneamento (SNIS) referentes a 2016 nas 100 principais cidades brasileiras e pouco deve ter mudado. Franca (SP) está em primeiro lugar no ranking nacional, Cascavel (PR) em segundo, seguido de Uberlândia (MG). Rio Branco, capital do Acre está em 90ª lugar, dez pontos à frente de Porto Velho que é 100ª cidade. Realmente o prefeito Hildon tem uma missão nada fácil pela frente.



Respigo



A prestação de serviços dos Correios em Rondônia é de ruim a pior. Para o cidadão receber correspondência de outros centros é preciso ter a paciência de Jó +++ O mundo globalizado passa muito distante da direção dos Correios. Comprar pela internet, prática que ocorre em todo o planeta não é um bom negócio para quem mora em Rondônia, devido à inércia de uma empresa que já foi exemplo em eficiência +++ Renovar um Alvará de Licença na Prefeitura de Porto Velho é uma missão hercúlea. Empresários, profissionais liberais, proprietários de imóveis reclamam que a burocracia emperra a celeridade +++ Os avisos colocados nas paredes da prefeitura no anexo em frente à Assembleia Legislativa (Ale) sobre respeito com o servidor público, como se ele não fosse empregado do povo, não se materializa na prática, pois a recíproca não é a mesma. O prefeito Hildon Chaves poderia checar as reclamações-denúncias, que são constantes e saber, o porquê, de uma simples renovação de um documento depender de “um agrado”.



Autor / Fonte: Waldir Costa / Rondônia Dinâmica


Sobre o autor

RD POLITICA ( WC e redação)