A POLITICA VISTA POR UM POETA ( SILVIO PERSIVO


UM TROPEÇO NO INÍCIO DA JORNADA

personA POLITICA VISTA POR UM POETA ( SILVIO PERSIVO date_range20 Jun 2018 - 06h44 location_onPORTO VELHO -RO



O Brasil, apesar do empate, jogou, razoavelmente, bem na sua estréia na Copa da Rússia. Claro que é frustrante para a torcida brasileira que deseja ver o time vencendo com facilidade e jogando muito bem, entretanto, é preciso lembrar que o retrospecto dos jogos entre ambos, nos oito já realizados, o Brasil havia feito 10 gols e levado 8, com 3 vitórias contra duas derrotas e, no único jogo de Copa, em 1950, uma das grandes seleções brasileiras ficou no empate em 2x2, jogando em casa, no Pacaembu. A grande verdade é que a Suíça sempre foi um osso duro de roer. E o Brasil começou bem. Parecia que ia se impor mesmo. Principalmente, quando, aos 20 minutos, Philippe Coutinho acertou um belo chute, de fora da área, indefensável. Por algum tempo até pareceu que o segundo viria logo, mas, terminou o segundo tempo e não veio.

No segundo tempo, se esperava que o Brasil liquidasse a fatura, porém, numa bola parada, vinda de um escanteio, Zuber cabeceou, sozinho, e empatou o jogo. Houve um leve empurrão, de fato, em Miranda. E também o mau posicionamento da defesa. Uma bola como aquela não pode passar de forma alguma. Os jogadores brasileiros reclamaram sem que o árbitro mexicano César Ramos desse a mínima. Da mesma forma quando, depois, o atacante Gabriel Jesus girou em cima do zagueiro Manuel Akanji, e caiu, reclamando ter sido derrubado. Faz parte do jogo e não justifica o empate. E, justiça seja feita, depois do gol de empate a Suíça conseguiu se posicionar melhor, foi mais eficiente na sua defesa e até mais perigosa no ataque.

Tite até tentou mudar isto trocando Casemiro por Fernandinho, Paulinho por Renato Augusto e Roberto Firmino no lugar de Gabriel Jesus. O Brasil até pressionava, mas, nervoso não conseguia construir bem as jogadas, nem fazer o gol. É verdade também que fizeram dez faltas em Neymar para pará-lo. Mas, também é verdade que este não esteve num dos seus melhores dias. E, com todos os problemas, os brasileiros ainda 

desperdiçaram três boas chances de vencer, no entanto, o apito final premiou a determinação do time suíço. Não é o fim do mundo. Só demonstra que a equipe brasileira pode sucumbir pelos nervos. E que, quando alguns jogadores, entre eles Neymar, não jogam bem, falta ao time a capacidade de criar alternativas. Mesmo assim mostrou que tem um time forte e difícil de ser batido. A Suíça deve dar trabalho. E se cair durante a Copa ainda assim exigirá bom futebol e sangue frio.



Original de Um Estranho no Ninho (https://spersivo.blogspot.com/). 


Sobre o autor

A POLITICA VISTA POR UM POETA ( SILVIO PERSIVO

Colaborador do quenoticias.com.br, Silvio Persivo é Economista com Doutorado em Desenvolvimento Sustentável pelo NAEA, escritor, poeta e professor de Economia Internacional e Planejamento Estratégico da UNIR. E-mail: silvio.persivo@gmail.com