Esporte

Abel Braga recusa Fluminense e Dorival Júnior passa a ser o Plano B

Após conversar com família, Abelão segue sem iniciar trabalhos em meio de temporada. Preferido de Mário Bittencourt, Dorival comandou time em 2013


bookmark_borderQUENOTICIASESPORTES date_range20 Ago 2019 - 08h37 personLANCE

O técnico Abel Braga não vai ser o substituto de Fernando Diniz no comando do Fluminense. O experiente treinador era a primeira opção da diretoria, mas recusou o convite no fim da noite desta segunda-feira, após conversar com familiares.



A identificação, tanto com o Fluminense, quanto com os dirigentes do clube, principalmente o vice geral Celso Barros, eram trunfos importantes que poderiam sensibilizar Abel Braga a aceitar um retorno ao Tricolor, time que dirigiu pela última vez em 2018. No entanto, o treinador seguiu a sua convicção de não iniciar trabalhos com a temporada em andamento.



Abel Braga estava em Porto Alegre e participou de um evento comemorativo do Internacional, clube no qual foi campeão da Libertadores da América e do Mundial, em 2006. O técnico retorna ao Rio de Janeiro nesta terça-feira e a ideia da diretoria era se reunir com o treinador para formalizar a proposta.



A confiança e o otimismo eram tão grande que existia a expectativa de que Abelão pudesse comandar o time já na quinta-feira, contra o Corinthians, na Arena Corinthians, no primeiro jogo das quartas de final da Copa Sul-Americana. Entretanto, com a recusa, o Fluminense já tem um novo alvo.



Dorival Júnior é a nova opção



O perfil traçado pela diretoria continua sendo o de um medalhão e com isso, Dorival Júnior se tornou o Plano B. Experiente e vencedor, o treinador de 57 anos é a opção preferida do presidente Mário Bittencourt e o primeiro contato deve ser feito nesta terça-feira.



Dorival Júnior não trabalha desde a reta final do Campeonato Brasileiro do ano passado, quando assumiu o Flamengo faltando 12 rodadas para o fim da competição. Portanto, não há problemas em aceitar um convite com a temporada em andamento.



Vale lembrar que em junho de 2018, o treinador quase fechou com o próprio Fluminense, após o pedido de demissão do técnico Abel Braga. No entanto, por conta de problemas particulares, Dorival Júnior teve que encerrar as negociações.







O Fluminense sabe que se trata de um técnico considerado caro para os padrões atuais do clube. Apesar disso, a diretoria não pretende medir esforços para contar com o profissional. O momento delicado no Campeonato Brasileiro, somado a possibilidade de título na Copa Sul-Americana, não dá espaço para apostas.



Caso aceite o convite, Dorival Júnior dará início a sua segunda passagem pelo Tricolor. Em 2013, assumiu o time faltando cinco rodadas para o fim do Campeonato Brasileiro. Na ocasião, o Fluminense estava na 15ª posição, com 39 pontos.



Apesar do aproveitamento satisfatório de 66,6%, somando três vitórias (Náutico, São Paulo e Bahia) um empate (Atlético-MG) e uma derrota (Santos), o Fluminense acabou na 17ª posição, com 46 pontos. Porém com a perda de quatro pontos, da Portuguesa e do Flamengo, o Tricolor não foi rebaixado, terminando na 15ª colocação.