Política

As notícias que você precisa saber para começar o seu dia


bookmark_borderBRASIL POLITICA date_range09 Out 2019 - 07h22 personPORTAL TERRA

Fique por dentro dos acontecimentos mais importantes do Brasil e do mundo e comece a terça-feira bem informado:





Investigações identificam óleo venezuelano em praias do NE







oto: Alisson Frazao / Reuters



 

























 










 












Investigações sigilosas realizadas pela Marinha e Petrobrás encontraram petróleo com a mesma "assinatura" do óleo da Venezuela em manchas que se espalham pelo mar na região Nordeste. O poluente já foi identificado em mais de 130 pontos no litoral dos oito Estados da região. A conclusão já foi comunicada ao Ibama, órgão ligado ao Ministério do Meio Ambiente. Não é possível dizer que todo o vazamento que atinge as praias do Nordeste tem a mesma origem, mas análises já realizadas em algumas manchas concluíram, com 100% de certeza, que se trata de material de origem venezuelana. Nesta terça-feira, o presidente Jair Bolsonaro disse não descartar que tenha sido uma ação criminosa, mas ponderou que a apuração sobre o caso ainda está em curso. 



Países denunciam ação de Maduro no Equador




Presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, discursa durante reunião do Foro de São Paulo, em Caracas<br />
28/07/2019 REUTERS/Manaure Quintero


 


Presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, discursa durante reunião do Foro de São Paulo, em Caracas 28/07/2019 REUTERS/Manaure Quintero

Foto: Reuters



 



Sete países latino-americanos anunciaram nesta terça-feira seu "firme apoio" ao presidente equatoriano, Lenín Moreno, e rejeitaram "toda ação" do presidente venezuelano, Nicolás Maduro, e seus aliados para desestabilizar o Equador, que enfrenta grandes protestos em meio a altas nos preços do combustível. Na segunda-feira, Moreno acusou Maduro e o ex-presidente equatoriano Rafael Correa, seu ex-padrinho político, de estarem por trás de um "plano de desestabilização" para tirá-lo do poder. O respaldo do grupo de países latinos se une ao manifestado na segunda-feira pelos Estados Unidos, aliado de Moreno.



Casa Branca diz que não vai colaborar com inquérito de impeachment




02/10/2019<br />
REUTERS/Kevin Lamarque

 




 


02/10/2019 REUTERS/Kevin Lamarque


Foto: Reuters



 



A Casa Branca informou que não pretende cooperar com o inquérito de impeachment que pesa contra o presidente Donald Trump, classificando a apuração como "sem base", "inconstitucional" e "ilegítima". A afirmação foi feita em um comunicado oficial de oito páginas enviada à presidente da Câmara dos Representantes, a democrata Nancy Pelosi. O caso que ameaca o governo Trump estourou em setembro, quando a imprensa revelou que um informante denunciou Trump por pressionar o governo da Ucrânia a investigar um rival democrata, implicando que o presidente americano procurou ajuda externa para interferir nas eleicoes do seu próprio país.



Dirigentes do PSL vão à Justiça contra Eduardo Bolsonaro




Deputado Eduardo Bolsonaro<br />
12/08/2019<br />
REUTERS/Amanda Perobelli


 


Deputado Eduardo Bolsonaro 12/08/2019 REUTERS/Amanda Perobelli

Foto: Reuters



 



A indicação de que o presidente Jair Bolsonaro pode deixar o PSL coincide com a resistência que seu grupo político tem enfrentado para controlar o partido nos Estados. Em São Paulo, dirigentes regionais foram à Justiça para tentar reverter atos baixados pelo deputado Eduardo Bolsonaro, que assumiu o comando estadual da sigla em junho passado. No Rio, o senador Flávio Bolsonaro teve de voltar atrás na decisão de expulsar os filiados que mantêm no governo de Wilson Witzel (PSC) - que tem feito críticas ao governo federal. "Filho 03" de Bolsonaro, Eduardo determinou até agora o afastamento dos presidentes de 73 dos 280 diretórios do PSL em São Paulo. Para justificar a medida, alegou irregularidades como ausência de prestação de contas, dupla filiação ou mesmo casos de condenação por estelionato. Dos 73 afastados, pelo menos dez já conseguiram brecar na Justiça a sua substituição.



Morre mais uma vítima do incêndio no Hospital Badim




Peritos analisam o hospital Badim, que pegou fogo no Rio de Janeiro

 




 


Peritos analisam o hospital Badim, que pegou fogo no Rio de Janeiro

Foto: Wilton Junior / Estadão Conteúdo



 



Morreu nesta terça-feira, no Hospital Quinta d'Or, mais uma vítima do incêndio ocorrido no Hospital Badim, no dia 12 de setembro passado, no Rio de Janeiro. O paciente, de 77 anos, estava internado desde o dia do incêndio, quando foi transferido às pressas para outra unidade de saúde. Com este, sobe para 18 o número de mortos no incêndio.