Judiciário

Celso de Mello diz que "bolsonaristas fascistoides" ameaçam juízes

Magistrados têm recebido mensagens anônimas que falam em "matar em legítima defesa"


bookmark_borderBRASIL JURÍDICO date_range22 Mai 2020 - 07h29 personFOLHAPRESS

O ministro do Supremo Tribunal Federal (STFCelso de Mello afirmou que pessoas que têm abarrotado as caixas de mensagens de juízes de tribunais de Brasília com mensagens anônimas e ameaças de morte são "bolsonaristas fascistoides, além de covardes e ignorantes".





O magistrado não recebeu textos ameaçadores. Mas, questionado sobre o teor das mensagens enviadas a outros juízes, afirmou também que seus autores "revelam, com tais ameaças, a sua face criminosa, própria de quem abomina a liberdade e ultraja os signos da democracia".




As mensagens enviadas a juízes, reveladas pelo jornal Correio Braziliense, falam em "matar em legítima defesa", pois será "decretado" um estado de sítio no Brasil sob o "comando do general Braga Netto", ministro da Casa Civil do presidente Jair Bolsonaro.





Braga Netto pediu investigação sobre os textos enviados aos magistrados.





O ministro Celso de Mello é o relator do inquérito que investiga as declarações do ex-ministro da Justiça e Segurança Pública Sergio Moro sobre suposta tentativa de Jair Bolsonaro de interferir na Polícia Federal.





Nesta sexta-feira (22), ele deve anunciar se levanta ou não o sigilo do vídeo com a gravação da reunião ministerial em que Jair Bolsonaro teria ameaçado demitir Moro.





O vídeo da reunião, ocorrida no dia 22 de abril, no Palácio do Planalto, é considerado um elemento fundamental para a investigação.





A defesa de Moro pede que a íntegra do vídeo seja divulgada e componha o inquérito.





Já a Advocacia-Geral da União (AGU) e a Procuradoria-Geral da República (PGR) defendem apenas a liberação de alguns trechos da gravação.