Internacional

Economist declara apoio a Biden e diz que Trump “despreza a verdade”


bookmark_borderPOLITICA INTERNACIONACIONAL date_range29 Out 2020 - 10h03 personDCM

A Economist, revista mais influente do mundo, publicou nesta quinta-feira (29) um editorial em apoio ao democrata Joe Biden, adversário de Donald Trump nas eleições presidenciais dos EUA. Leia um trecho abaixo:



O país que elegeu Donald Trump em 2016 estava infeliz e dividido. O país para o qual ele pede a reeleição está mais infeliz e dividido. Depois de quase quatro anos de sua liderança, a política está ainda mais furiosa do que antes e o partidarismo ainda menos restrito. A vida diária é consumida por uma pandemia que registrou quase 230.000 mortes em meio a brigas, disputas e mentiras. Muito disso é obra do Sr. Trump, e sua vitória em 3 de novembro endossaria tudo.



Joe Biden não é uma cura milagrosa para o que aflige a América. Mas ele é um bom homem que restauraria a estabilidade e a civilidade à Casa Branca. Ele está equipado para começar a longa e difícil tarefa de reconstruir um país dividido. É por isso que, se tivéssemos um voto, seria para Joe.



Sr. Trump falhou menos em seu papel como chefe do governo da América do que como chefe de Estado. Ele e seu governo podem reivindicar sua parte nas vitórias e derrotas políticas, assim como os governos antes deles. Mas como guardião dos valores da América, a consciência da nação e a voz da América no mundo, ele falhou tristemente em estar à altura da tarefa.




 



Sem o covid-19, as políticas de Trump poderiam muito bem ter lhe rendido um segundo mandato. Seu histórico em casa inclui cortes de impostos, desregulamentação e a nomeação de juízes conservadores. Antes da pandemia, os salários do quarto mais pobre dos trabalhadores cresciam 4,7% ao ano. A confiança das pequenas empresas estava perto de um pico de 30 anos. Ao restringir a imigração, ele deu aos eleitores o que eles queriam. No exterior, sua abordagem disruptiva trouxe algumas mudanças bem-vindas. A América martelou o Estado Islâmico e intermediou acordos de paz entre Israel e um trio de países muçulmanos. Alguns aliados da OTAN estão finalmente gastando mais em defesa. O governo da China sabe que a Casa Branca agora a reconhece como um adversário formidável. (…)



No entanto, nossa maior disputa com Trump é sobre algo mais fundamental. Nos últimos quatro anos, ele profanou repetidamente os valores, princípios e práticas que fizeram da América um paraíso para seu próprio povo e um farol para o mundo. Aqueles que acusam Biden do mesmo ou pior, deveriam parar e pensar. Aqueles que despreocupadamente rejeitam a intimidação e as mentiras de Trump como se fossem apenas tweets, estão ignorando o dano que ele causou.



Mais quatro anos de um presidente historicamente ruim como o Sr. Trump aprofundariam todos esses danos – e mais. Em 2016, os eleitores americanos não sabiam quem estavam recebendo. Agora eles sabem. Eles estariam votando pela divisão e mentira. Estariam endossando o atropelamento das normas e o encolhimento das instituições nacionais a feudos pessoais. Eles estariam dando início a uma mudança climática que ameaça não apenas terras distantes, mas a Flórida, a Califórnia e o coração dos Estados Unidos. Estariam sinalizando que o campeão da liberdade e da democracia para todos deveria ser apenas mais um grande país jogando seu peso ao redor. A reeleição colocaria um selo democrático em todos os danos que Trump fez.



Presidente Joe



A barreira para o Sr. Biden ser melhor, portanto, não é alta. Ele limpa facilmente. Muito do que a ala esquerda do Partido Democrata não gostou nele nas primárias – que ele é um centrista, um institucionalista, um criador de consenso – o torna um anti-Trump adequado para reparar alguns dos danos dos últimos quatro anos. Biden não será capaz de acabar com a animosidade amarga que vem crescendo há décadas na América. Mas ele poderia começar a traçar um caminho para a reconciliação. (…)