Economia

Após aprovação das novas regras, o trabalhador poderá financiar imóveis com valores de até R$85 mil com utilização do FGTS


bookmark_borderBRASIL ECONOMIA date_range11 Set 2020 - 08h28 personNOTICIAS E CONCURSOS

Com o objetivo de diminuir o déficit habitacional, o Conselho Curador do FGTS,  principalmente nas regiões Norte e Nordeste do país, decidiu que o novo programa de habitação popular, chamado de “Casa Verde e Amarela”, irá possibilitar o financiamento de imóveis de maior valor utilizando os recursos do FGTS.



Dessa forma, com a aprovação das novas regras, o trabalhador poderá financiar imóveis com valores de até R$85 mil com utilização do FGTS. A medida vale para pequenos municípios, com até 50 mil habitantes. Anteriormente, o valor limite para essas regiões era de R$74 mil.



Segundo informações do secretário-adjunto da Secretaria Executiva do Ministério do Desenvolvimento Regional, Daniel Ferreira, a medida é para todo o Brasil. No entanto, o foco é nas regiões Norte e Nordeste, uma vez que a maioria dos pequenos municípios do país estão nestas regiões.



“O Norte e o Nordeste têm 40,3% dos municípios brasileiros e 88% desses municípios têm população abaixo de 100 mil habitantes”, disse o secretário.



Taxas de juros mais baixas



Entre as vantagens do novo programa do governo, estão as taxas de juros mais baixas e a atenção especial às regiões Norte e Nordeste.



Atualmente, os juros são de 5% a 5,5% ao ano. Os cortes beneficiariam principalmente as regiões Norte e Nordeste. Nestas duas regiões, a taxa de juros cairá em até 0,5% para famílias com renda de até R$ 2 mil por mês e 0,25% para famílias que ganham entre R$ 2 mil e R$ 2,6 mil por mês. Dessa forma, o percentual fica de 4,25% por ano; nas demais regiões, fica por 4,5%.



Norte e Nordeste também terão outros benefícios. Nas demais regiões, as famílias beneficiadas devem ter rendimento de até R$ 2 mil por mês. No Norte e Nordeste, podem ter rendimento de até R$ 2,6 mil por mês.







Publicada no dia 26 de agosto, no Diário Oficial da União, a Medida Provisória 996/20 entrou em vigor criando o programa habitacional do governo Bolsonaro, que vai conceder financiamento e subsídio para a compra da casa própria.



Denominado “Casa Verde e Amarela”, o programa beneficiará famílias residentes em áreas urbanas com renda mensal de até R$ 7 mil e famílias que moram em áreas rurais com renda anual de até R$ 84 mil.



Com efeito, referido programa substituirá o Minha Casa Minha Vida, criado em 2009 no governo do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.



Além da compra da casa, o novo programa também vai financiar regularização fundiária e pequenas reformas nos imóveis, como construção de banheiro ou colocação de piso.



Tratam-se de modalidades de financiamento que não estão previstas no Minha Casa Minha Vida.



O texto da Medida Provisória contém as linhas gerais do programa e o detalhamento virá em regulamento.



Além disso, o governo informou ontem (25/08), durante o lançamento do Casa Verde e Amarela, que haverá três faixas de financiamento:




  • O Grupo 1 atenderá famílias com renda de até R$ 2 mil, terá os menores juros e será o único com acesso a financiamento para compra, reforma ou regularização fundiária;

  • Grupo 2 atenderá famílias com renda entre R$ 2 mil mensais e R$ 4 mil mensais;

  • e o Grupo 3 alcançará as famílias com renda entre R$ 4 mil e R$ 7 mil.

  •  





Estes dois últimos grupos só terão acesso a financiamento para compra da casa e regularização fundiária.



Outrossim, o financiamento habitacional ocorrerá nos moldes atuais do Minha Casa Minha Vida.



Isto é, a pessoa irá procurar diretamente as construtoras credenciadas e os bancos operadores do Casa Verde e Amarela.



Ademais, reforma e regularização também serão financiados por um banco, com intermediação de uma empresa privada.



De acordo com o governo federal, o programa Casa Verde e Amarela terá juros menores e atenderá um universo maior de pessoas do que o Minha Casa Minha Vida.



Caixa faz pagamento do FGTS de até R$1.045 em 10 lotes



Até agora, o pagamento de 10 lotes do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS), na modalidade emergencial, já foram liberados. Os depósitos já foram feitos aos nascidos de janeiro a outubro. As próximas liberações acontecerão para os nascidos novembro e dezembro.



Os valores estão sendo pagos diretamente nas poupanças digitais abertas pela Caixa. Na conta, o trabalhador poderá realizar diversas movimentações, como pagar boletos e realizar compras online, por exemplo.



Saque emergencial do FGTS de R$1.045



Caixa liberou o calendário de pagamentos de R$1.045 do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS). Os depósitos começaram no dia 29 de junho e seguirão válidos até 21 de setembro, conforme nascimento dos trabalhadores. No entanto, quem receber terá que esperar semanas ou até meses para sacar o dinheiro.



O Governo anunciou em abril que liberaria um saque emergencial do FGTS para apoiar os trabalhadores durante a crise causada pela pandemia do novo coronavírus.



Têm direito ao dinheiro trabalhadores que possuem contas ativas (do emprego atual) ou inativas (de empregos anteriores) no FGTS. A data em que o valor cai na poupança digital depende do mês de aniversário do trabalhador.