Política

Maia critica custos da Câmara, mas não os reduz


bookmark_borderBRASIL POLÍTICA date_range18 Jun 2019 - 08h46 personClaudio Humberto

“Sérgio Moro faz mais um gol de bicicleta do meio do campo”



Presidente Jair Bolsonaro sobre a MP que prevê a apreensão de bens dos traficantes



 



Maia critica custos da Câmara, mas não os reduz



O deputado Rodrigo Maia fala mal dos gastos absurdos da Câmara dos Deputados, que ele preside, mas não se conhece qualquer iniciativa dele para interromper, por exemplo, a sangria de R$200 milhões na manutenção da TV Câmara. O pagador de impostos sustenta naquela emissora, de utilidade questionada, 38 servidores concursados e outros 227 terceirizados, que poderiam ser dispensados sem demora.



 



Média indecente



Maia contou que a média salarial na Câmara é de R$30 mil mensais. Também não são conhecidas iniciativas dele para enfrentar isso.



 



Sucesso de público



Os custos com a TV e a média salarial na Câmara foram revelador por Maia durante evento da rádio BandNews em São Paulo, ontem (17).



 



Sem custo/benefício



Não faz, como nunca fez, o menor sentido criar e manter a TV Câmara, cuja audiência próxima de zero não justifica a operação milionária.



 



Custo das boquinhas



Além dos salários elevados, a TV Câmara compra programas, contrata suporte técnico, locação de satélite, contratos de terceirização etc.



 



Covardia diante da corporação derrubou Levy



O ex-presidente do BNDES, Joaquim Levy foi convertido em “donzela maculada”, após sua demissão. O presidente da Câmara disse até que sua saída do governo “foi de uma covardia sem precedentes”, mas nem Rodrigo Maia se lembra da covardia do próprio Levy de não abrir a caixa preta do BNDES, um dos maiores instrumentos de corrupção dos governos do PT, tampouco de enfrentar a corporação aparelhada e muito bem paga: chegam a receber salários de R$100 mil mensais.



 



Catatonia conveniente



Levy nem se mexeu quando os petistas do BNDES recusaram acesso ao Ministério do Meio Ambiente a contratos com ONGs ambientalistas.



 



Picaretagem escondida



Dos R$25 milhões recebidos para projetos ambientais, ONGs picaretas gastaram R$14 milhões em “consultoria” e salários para eles próprios.



 



Mãos leves nas doações



Mais de R$800 milhões de um total de R$1,5 bilhão doados ao Brasil por meio do Fundo Amazônia, acabaram nos bolsos dos ongueiros.



 



TCU não confia na Receita



Em relatório de auditoria, o Tribunal de Contas da União não atestou a confiabilidade dos dados da Receita Federal por falta de transparência. O TCU não teve acesso aos dados de 37% dos ativos (R$1,2 trilhão) e 48% da receita (R$888,45 bilhões). O relatório foi enviado ao Senado.



 



Guedes com os produtores



O ministro Paulo Guedes recebeu por 1 hora os representantes dos nordestinos que ralam para produzir etanol. Respondem por 7% da produção total, mas empregam 30% da força de trabalho do setor.



 



Cliente tem sempre razão



Guedes disse que defenderá sempre o interesse do consumidor e que em 30 dias decidirá sobre a venda direta de etanol aos postos, como quer o presidente Bolsonaro, com a evidente redução do preço final.



 



O louvável é ignorado



A cobertura do assassinato do marido da deputada Flordelis (PSD-RJ) não deu grande bola a um lado da vida do pastor Anderson Souza: era pai de 51 filhos adotados, 37 deles após sobreviverem a chacinas.



 



Erro histórico



O senador Marcos Rogério (DEM-RO) foi dos poucos com a coragem de criticar o STF pela equiparação da homofobia a racismo. Para ele, um “erro histórico de interpretação e aplicação da Constituição”.



 



Afasta de mim....



Impressiona a indisposição do PT ao trabalho. Nesta segunda, às 16h45, a atendente do partido avisou que não tinha ninguém na assessoria. Mas o fundo partidário paga ótimo salários para todos.



 



Leitura petista



O PT é alvo no TSE de novo pedido de extinção do partido, acusado de se enrolar com grupos estrangeiros internacionais. O PT alega que documentos do partido foram alvo de “leitura obtusa”. Hahahaha...



 



Disputa local



Uma briga paulista resultou na primeira representação no Conselho de Ética da Câmara. O PSDB acusa o deputado Coronel Tadeu (PSL) de quebra de decoro por afirmar que o ex-governador Geraldo Alckmin virou “assassino de policiais” já que “em 2006, fez acordo com o PCC”.



 



Pergunta no exílio dourado



Agora que também se diz “ameaçado”, o suplente David Miranda (Psol-RJ) também vai se juntar a Jean Wilis no circuito Helena Rubinstein?



 



PODER SEM PUDOR



Prioridade de governo






 



|


 



 



O tucano Geraldo Alckmin sempre conta a história que certa vez aconteceu em Pindamonhangaba (SP), onde nasceu. Um vereador chamou o prefeito de “desleixado” por não reformar o muro do cemitério, que desabara. Um vereador situacionista discordou, encerrando a discussão:



- Consertar o muro do cemitério não deve mesmo ser prioridade. Por dois motivos: quem está fora não quer entrar e quem está dentro não quer sair!



___



Com André Brito e Tiago Vasconcelos



www.diariodopoder.com.br