Geral

No enterro do filho, mãe de soldado assassinado critica ausência dos Direitos Humanos: “Se fosse bandido morto estavam todos aqui”; assista


bookmark_borderCASO DE POLICIA date_range02 Jul 2018 - 08h04 personredemais

O enterro do soldado F. Barros morto nesse sábado (30), durante troca de tiros com bandidos em João Pessoa foi marcado por dor e protesto. O sepultamento aconteceu neste domingo (1) no cemitério da cidade de Bayeux, na Grande João Pessoa.



Ao lado do corpo do filho, a mãe do soldado fez um desabafo emocionante. Em tratamento de um câncer de mama, ela criticou a ausência de integrantes dos Direitos Humanos nesse momento de perda.



“Está aqui a minha nora sofrendo com um filho para criar sozinha. Por conta de um bandido safado tirou a vida do meu filho. Cadê os Direitos Humanos? Tem algum integrante aqui ? Não tem nenhum para dizer que vai dar forças. Se fosse um bandido morto estava aqui um monte dos diretos humanos passando a mãe na cabeça da família dizendo que não soube educar”, discursou a mãe emocionada.





Crime



Um policial morreu na tarde deste sábado (30), após troca de tiros com dois assaltantes no bairro de Jaguaribe, em João Pessoa. A vítima foi identificada como o soldado Ewerton Fernandes Barros, soldado da Força Regional da Polícia Militar.



A ação aconteceu na Avenida Monsenhor Almeida, por volta das 15h30. Ele estava de folga quando, ao passar pelo local, testemunhou bandidos cometendo um assalto a uma senhora de idade, e decidiu agir.



Uma troca de tiros começou e o policial foi atingido pelo menos duas vezes. Ele estava com um ferimento nas nádegas e outro na região do abdômen. O agente chegou a ser socorrido por uma ambulância do Samu para o Hospital São Vicente de Paulo, mas morreu antes de chegar ao hospital.



Um dos assaltantes foi atingido e morreu no local. Outro conseguiu fugir.



O soldado F. Barros integrava a Polícia Militar da Paraíba há apenas dois anos. A notícia da morte do policial causou comoção entre os colegas de farda.



Portal do Litoral