Internacional

Nova Zelândia está a caminho de eleger o “Parlamento mais gay do mundo”

Com base nas pesquisas atuais, o número de deputados LGBTQI + na Câmara dos Deputados, com 120 assentos, deverá aumentar para 7,5% após as eleições de setembro


bookmark_borderPOLITICA INTERNACIONAL date_range29 Jun 2020 - 16h14 personPORTAL GGN

Jornal GGN – Os neozelandeses estão prontos para eleger o “parlamento mais gay do mundo” em setembro. É o que informa o site SBS News nesta segunda (29), após os resultados das primeiras pesquisas de intenção de voto.



O movimento LGBTQI+ acredita que ainda há muito a se fazer na Nova Zelândia, mesmo após a legislação do casamento entre pessoas do mesmo sexo e grandes avanços no fim da discriminação contra a comunidade queer.



Atualmente, existem sete deputados que representam o grupo na Câmara dos Deputados, que tem 120 cadeiras. Esse número aumentará para 9 com base nas pesquisas atuais, e poderá chegar a 11 caso o partido dos Verdes aumente seu voto no dia das eleições, que será em 19 de setembro.



 



Com 9 parlamentares assumidamente LGBTQI+ (ou 7,5% da Câmara), a Nova Zelândia passaria à frente do Reino Unido, que tem hoje 45 membros gays na Câmara dos Comuns, com 650 membros, ou 7% do total.



“Os números são importantes”, disse a deputada trabalhista Louisa Wall. “Temos uma massa crítica com alta visibilidade e somos vistos como válidos. Se acabarmos sendo o parlamento mais representativo LGBT do mundo, isso seria simplesmente ótimo.”



O Partido Trabalhista da Nova Zelândia tem hoje cinco dos sete parlamentares gays, incluindo o ministro das Finanças Grant Robertson, que liderarou a iniciativa de legalizar o casamento entre pessoas do mesmo sexo em 2012. 



Com base na alta popularidade da primeira-ministra Jacinda Ardern, o Partido Trabalhista poderia eleger mais dois representantes do movimento gay: Ayesha Verrall e Shanc Halbert.



Os Verdes têm dois deputados queer, Jan Logie e Chloe Swarbrick.



A principal ativista LGBTQI+, Elizabeth Kerekere, e o ativista anti-pobreza Ricardo Menendez March, também se tornarão deputados se os Verdes receberem cerca de oito por cento dos votos do partido.



 



National, o maior partido do parlamento com 55 membros, não tem representantes LGBTQI + e um porta-voz do partido disse que não tinha candidatos gays em cadeiras conquistáveis.



Além das questões de visibilidade e representação, também existem importantes questões políticas enfrentadas por LGBTQI+. As batalhas legislativas para permitir o casamento e a adoção pelo mesmo sexo foram vencidas, mas os defensores dizem que os serviços de apoio são subfinanciados e as agências governamentais estão mal equipadas para se envolver com as comunidades e os desafios LGBTQI +.



Os parlamentares trabalhistas têm projetos de lei para acabar com a terapia de conversão e melhorar o acesso de barriga de aluguel que não foram elaborados neste Parlamento.



 



Está em discussão a proposta de criar um “gabinete arco-íris”, que seria a porta de entrada do governo para a comunidade LGBTQI+ e um serviço de consultoria em órgãos públicos.



Um porta-voz do governo neozelandês disse que “a discriminação e o preconceito contra as comunidades arco-íris não são aceitáveis”, mas “não receberam nenhum pedido formal ou informal para criar uma agência específica do arco-íris e atualmente não a consideram”.



Com informações do SBS News