Internacional

ONU: esquadrões da morte matam jovens na Venezuela

Números do governo mostraram que as mortes atribuídas a criminosos que resistiram à prisão chegaram a 1.569 até 19 de maio deste ano


bookmark_borderPOLITICA INTERNACIONAL date_range05 Jul 2019 - 12h00 personNOTÍCIAS AO MINUTO

Forças de segurança da Venezuela estão enviando esquadrões da morte para assassinar homens jovens e forjar as cenas para parecer que as vítimas resistiram à prisão, disse a Organização das Nações Unidas (ONU) em um relatório divulgado por sua chefe de Direitos Humanos, Michelle Bachelet, nessa quinta-feira (4).



 



Números do governo mostraram que as mortes atribuídas a criminosos que resistiram à prisão chegaram a 5.287 no ano passado e a 1.569 até 19 de maio deste ano. De acordo com o relatório da ONU, muitas delas parecem ter sido execuções extrajudiciais.



As famílias de 20 homens descreveram que mascarados das Forças de Ação Especial da Venezuela (Faes), vestidos de preto, chegaram em picapes pretas sem placas. Segundo os relatos, os esquadrões da morte invadiram as casas, levaram pertences e agrediram mulheres e meninas, às vezes arrancando suas roupas. "Eles separavam homens jovens de outros familiares antes de baleá-los", informou o relatório.



"Em todos os casos, testemunhas relataram como o Faes manipulou a cena do crime e as provas. Eles plantavam armas e drogas e disparavam contra as paredes ou para o alto, para insinuar um confronto e para mostrar que a vítima 'resistiu à autoridade'".



Michelle Bachelet visitou a Venezuela no mês passado e apresentará o relatório ao Conselho de Direitos Humanos da ONU.



O texto disse ainda que os assassinatos são parte de uma estratégia do governo do presidente Nicolás Maduro que visa a "neutralizar, reprimir e criminalizar oponentes políticos e pessoas críticas do governo", o que foi acelerado desde 2016.



A ONU também divulgou uma resposta por escrito do governo venezuelano às suas conclusões. Na resposta, o governo classificou o relatório como uma "visão seletiva e abertamente parcial" sobre a situação dos direitos humanos no país, argumentou que a ONU contou com "fontes que carecem de objetividade" e que ignorou informações oficiais.



Com informações da Agência Brasil