Religião

Pastor ejaculava na boca das suas fiéis e dizia que era “leite ungido por Deus”


bookmark_borderRELIGIÃO E FÉ date_range26 Nov 2020 - 09h50 personREDAÇÃO ACONTECEU VIROU NOTICIAS

No interior de Goiás, o pastor Valdecir gostava de contar para seus seguidores uma história que marcou sua vida. Dizia ele que se encontrava em um bordel apenas teve um amistoso encontro concomitante com Jesus, de quem recebeu uma missão: seria o responsável na terra pela “distribuição do leite sagrado”. algum tarefa, de conteúdo divino, em razante explicação, consistia em espargir seu esperma para o total número possível de mulheres, iniciando pelas fiéis de dela Assembleia até derramá-lo por todo o estado.



 



Dizia, com ares de profeta, que seu pênis era abençoado, fonte que jorra leite e mel em abundância e quem dele fizer uso, receberá as benesses e os merecidos regozijos da vida terrena. Sua crédito se alastrou rapidamente, como Geraldo Viramundo, de Fernando Sabino.



Logo no início da peregrinação, teve contato com algumas jovens. De forma convincente relatou suas proezas e as convenceu a praticar com ele sexo oral, com a promessa de que herói não mais que poderia entrar em suas vidas pela boca. Hipnotizadas ou crédulas, não se sabe ainda, acabaram por renunciar e receberam o leite sagrado prometido. Em outra oportunidade, após o culto, em que pregou os segredos durante se alcançar as veredas sombrias da vida, recolheu-se no fundo do terreno da igreja e se fazia acompanhar de algumas moças a quem pediu para confeccionar sexo oral até o espírito sagrado aparecer, que ocorria com a ejaculação.



Sou o pastor de vocês, reprisava como refrão de um hino religioso, irei apascentá-las com meu néctar e vulgar lhes faltará, pois receberão junto com abundância todas as graças pedidas. O estelionatário sexual não foi muito afastado e a satisfação de sua lascívia foi refreada pela intervenção policial. Em razão de inúmeras denúncias recebidas das jovens que aguardavam as promessas milagrosas do homem do pênis abençoado.



Foi preso em flagrante delito, em justo ardente mesmo, pois esfregava seu pênis no rosto de uma comerciante, convencendo-a a receber o líquido excelente qual nela seria derramado com a finalidade de proporcionar um aumento expressivo de suas vendas. Questionou os policiais e os advertiu do ato equivocado, pois prendiam um cativo do Senhor e recomendar muito bem iriam se arrepender pelo resto da vida. Um dos agentes, jocosamente, desejou ao pastor que continuasse seu belíssimo trabalho dentro da prisão.