Judiciário

Promotor diz que Sotero foi irresponsável ao atirar em Wilson Justo

O promotor público George Pestana ainda fez comparações com a quantidade de álcool no sangue do acusado e no sangue da vítima


bookmark_borderCASO SOTERO date_range29 Nov 2019 - 14h48 personSUYANNE LIMA

Manaus - Durante o período da tarde desta sexta-feira (29), foi iniciada a fase de debates durante o julgamento do Caso Sotero, quando a acusação Ministério Público do Estado do Amazonas (MPE-AM), assistente de acusação e defesa falam sucessivamente sobre as provas produzidas e fazem seus requerimentos. A acusação e defesa também têm direito a réplica e tréplica.



O promotor público George Pestana expôs aos jurados um vídeo frame a frame da ação que culminou na morte do advogado Wilson Justo Filho, ocorrida no dia 25 de novembro de 2017, em uma casa noturna na Zona Oeste de Manaus.



Pestana declarou que Wilson percebeu o comportamento diferente do delegado Sotero contra Fabíola Rodrigues, sua esposa, e advertiu a mulher. "Esse cara olhou para ti. Eu não vou me aguentar", disse o advogado antes de dar o soco no delegado. Mas, antes, a promotoria afirmou que Wilson ainda olhou para Sotero com a intenção de cessar o ato feito por ele.



Durante discurso, George Pestana analisou todos os momentos do crime e enfatizou que os disparos efetuados por Sotero foram na intenção de matar Wilson e que ele foi irresponsável por atirar num local com 800 pessoas dentro.



"Ninguém é doido para sair esmurrando ninguém na rua. Sotero alega ter sido agredido, mas que agressão é essa? Antes do soco, Wilson só olhou para ele [Sotero]. Se perguntar a uma criança de sete anos ela vai dizer que isso não é agressão", disse.



A promotoria declarou que o erro de Wilson foi dar o primeiro soco, mas que ele foi provocado, teve uma razão para isso. "Ele era homem bom, um homem de paz. Wilson Justo é justo e nunca tinha se envolvido em confusão", defende George.



Doses



O promotor questionou a quantidade de bebida alcoólica que Sotero tinha bebido no dia do crime. Segundo ele, três doses de uma bebida alcoólica com nível de 47% de álcool, estando armado e sendo delegado de Polícia. Enquanto Wilson, que estava no local para se divertir, tinha bebido meia latinha de uma bebida muito mais fraca.



Ouvindo todas as acusações, Sotero permaneceu sereno observando todas as declarações do promotor. Em poucos momentos, ele se virou para a defesa com o intuito de realizar comentários.