Política

Surpreendido pelo PSB, Maia aposta em traições na esquerda e no MDB para levar presidência da Câmara


bookmark_borderBRASIL POLÍTICA date_range11 Jan 2019 - 07h38 personUOL

Surpreendidos pelo PSB, que por ampla maioria decidiu não integrar o bloco que vai apoiar a reeleição de Rodrigo Maia (DEM-RJ) à presidência da Câmara, dirigentes de siglas que estão com o democrata dizem que ele já costura acordos de bastidor para estimular traições na esquerda e no MDB. Como a votação será secreta, Maia espera ter ao menos um terço dos votos do PT e do PDT, independentemente dos acordos de cúpula. Para rachar o MDB, conta com a ajuda de senadores da legenda.



No PSB, a expectativa é a de que o PDT ingresse no bloco anti-Maia, encabeçado por PP e MDB. O PC do B está dividido, mas, se todas as siglas de esquerda se unirem à ala do centrão que tenta rivalizar com o democrata, o grupo pode chegar a 216 deputados.



PT discutiria o rumo a tomar na disputa na segunda (14), mas deve antecipar a conversa para o fim de semana. Dono da maior bancada da Casa, com 56 deputados, o partido pode dar fôlego ao bloco anti-Maia.



Dos 22 deputados que foram à reunião do PSB, 16 pregaram um acordo com o bloco de oposição ao democrata. Cinco ficaram calados e um foi contra



A ida da presidente do PT, Gleisi Hoffmann, à posse do ditador Nicolás Maduro dividiu o partido. Uma ala de dirigentes e militantes avaliou a viagem como desnecessária e pregou que o gesto se limitasse a uma carta ou nota de congratulação ao venezuelano.



Uma minoria, porém, defendeu o deslocamento. Disse que o PT não poderia se afastar de parceiros estratégicos e que, especialmente no início da gestão de Jair Bolsonaro, a ida à Venezuela teria função política. O desgaste, avaliou, já estaria precificado.