103 anos de instalação

24 de janeiro de 2018 598

Porto Velho chega hoje aos 103 anos de instalação com as melhores projeções de crescimento demográfico para os próximos anos, e isso, mesmo depois de ter sofrido uma grande enchente em 2014 e o final do ciclo da construção das usinas que deixou um rastro de sofrimento, desemprego e de evasão populacional.

Terceira cidade da Amazônia – abaixo apenas das metrópoles Manaus e Belém – Porto Velho tem uma das maiores superfícies territoriais do Brasil e conta com cerca de 20 distritos, alguns deles em condições de conquistar a autonomia como Extrema (plebiscito já realizado), Jacy-Paraná e a populosa União Bandeirantes, onde o agronegócio impulsiona a economia.

São quase 520 mil habitantes. Uma cidade carente de água, esgoto, pavimentação e com o desafio da mobilidade urbana para ser vencido. Padece com um caos na saúde e colapso na segurança pública. Os próximos anos serão decisivos para a infraestrutura e recuperação econômica que atingiu seriamente os setores de obras, metalurgia, polo cerâmico, mercado imobiliário e setor hoteleiro, causando enorme índice de desemprego.

A trajetória

A propósito dos 103 anos de instalação de Porto Velho, o senador Acir Gurgacz (PDT-RO) ressaltou ontem a brilhante trajetória do município, através dos mais diversos ciclos, resultando na pujante capital rondoniense hoje, com o boom do agronegócio, com uma população com mais de 520 mil habitantes. “A cidade é movida à urgência e estou comprometido com suas causas com ações pontuais no Congresso”, afirmou.

Foro privilegiado

Pelo menos 23 senadores envolvidos na Operação Lava Jato buscam a reeleição para garantir o foro priviligeado na justiça. Em Rondônia dois senadores – todo mundo sabe quem são – integram a lista, e um deles – aquele que se envolveu no escândalo das prostitutas – é também acusado de receber propinas nos idos das usinas e já começa a cumprir pena alternativa em fevereiro numa casa de recuperação de drogados em Brasília.

A espera da janela

Com a chamada janela partidária aberta em março, durante um mês – até 7 de abril – deputados estaduais e federais poderão trocar de partido sem correr o risco de perderem os cargos. Em Rondônia março é aguardado com expectativa, pois será o mês de mudanças, com muitos parlamentares trocando de legendas buscando acomodações para a reeleição. Prefeitos, senadores e governadores não têm o mesmo privilégio.

Rede TV

A Rede TV, num trabalho coordenado pelo apresentador Jose Luiz Alves, levará ao ar em cadeia com a TV Gazeta e mais seis emissoras de rádio do Estado, um especial focalizando a ascensão do agronegócio em Rondônia. Será no próximo sábado pela manhã, no programa Campo e Lavoura. “Da Lavoura ao Porto” vai sintetizar os avanços do Estado nos últimos anos na produção de soja, carne, leite e derivados, etc.

Atuação firme

Um dos deputados estaduais mais combativos desta legislatura, Hermínio Coelho (PDT), já está em campo na busca de mais uma reeleição. Com uma trajetória de lutas em favor da classe trabalhadora, Coelho que já foi presidente da Câmara Municipal e da Assembleia Legislativa tem se tornando um dos poucos parlamentares investigando o Executivo, numa das maiores gerações de vacas de presépio já criadas no Poder Legislativo estadual.

Via Direta

** Num grande encontro regional, o PDT se reúne sexta-feira em Ji-Paraná onde deverá receber importantes adesões** O movimento pelo táxi compartilhado cresce, e já tem políticos no meio para pressionar a Câmara Municipal e a prefeitura de Porto Velho para a sua aprovação. *** O secretário da Agricultura, Evandro Padovani, deixa o cargo em março já com as botinas prontas para percorrer Estado *** Vai disputar uma cadeira na Câmara dos Deputados pelo Sul rondoniense.

POLITICA & POLÍTICOS (CARLOS SPERANÇA)

Colunista político do Jornal "DIÁRIO DA AMAZÔNIA", Ex-presidente do SINJOR, Carlos Sperança Neto é colaborador do Quenoticias.com.br. E-mail: csperanca@enter-net.com.br