Alunos que vazaram foto de professora demitida podem responder por divulgação de cena de nudez sem o consentimento da vítima, diz polícia

28 de março de 2024 36

A Polícia Civil investiga o caso da professora de história Bruna Flor de Macedo Barcelos, que denuncia ter sido demitida após ter fotos íntimas vazadas por alunos que acessaram pastas privadas do celular pessoal dela. O caso aconteceu na Escola Estadual Doutor Gerson De Faria Pereira, em Alto Paraíso de Goiás.

Em nota, a polícia informou que os estudantes que teriam acessado as mídias do celular da professora já foram identificados. A polícia não informou quantos alunos estão envolvidos no episódio.

Caso fique comprovada a ação, eles poderão responder por ato infracional análogo ao crime de divulgação de cena de nudez sem o consentimento da vítima. Ato infracional é uma conduta descrita na lei como crime ou contravenção penal só que praticado por uma criança (até completar 12 anos) ou adolescente (entre 12 anos completos e 18 anos incompletos).

Escola Estadual Doutor Gerson de Faria Pereira, em Alto Paraíso de Goiás — Foto: Reprodução/Google Street View

Escola Estadual Doutor Gerson de Faria Pereira, em Alto Paraíso de Goiás — Foto: Reprodução/Google Street View

A Delegacia de Polícia de Alto Paraíso também já colheu depoimento da vítima, da diretora da escola e de professores. “A PCGO informa que acompanha o caso detidamente, com prioridade, e já prestou as orientações devidas à vítima”, informou.

Seduc nega demissão por vazamento de fotos

A Secretaria Estadual de Educação de Goiás (Seduc) negou ao g1 que a demissão da professora está relacionada ao vazamento de fotos íntimas.

A pasta afirma que Bruna foi contratada em regime emergencial para suprir uma demanda da unidade escolar e que o desligamento da profissional se deu devido à convocação de novos professores aprovados no concurso público realizado em 2022, que assumiram, de forma efetiva, em 2023, vagas dos contratos especiais na rede pública estadual de ensino.

Mas um documento assinado pela Seduc e enviado à Defensoria Pública confirma que a demissão da professora aconteceu porque a gestão da escola considerou que os estudantes estavam “extremamente envergonhados” de assistirem às aulas dela após o vazamento das fotos íntimas; veja trecho abaixo.

Documento aponta vazamento de fotos íntimas de professora como motivo de demissão — Foto: Acervo pessoal

Documento aponta vazamento de fotos íntimas de professora como motivo de demissão — Foto: Acervo pessoal

A Seduc Goiás não deu nenhuma declaração a respeito do vazamento das fotos e da denúncia da professora que relatou ter sido destratada por colegas e pela gestão da escola.

Em nota enviada à reportagem, a pasta se resumiu a dizer que, sobre a conduta de Bruna, “segue a legislação de proteção à criança e adolescente, por meio do Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA)”.

Fotos nuas vazadas

Bruna conta que emprestou o celular para que os alunos pudessem tirar fotos de um evento escolar que, posteriormente, seriam usadas em uma atividade pedagógica. No entanto, eles acessaram pastas particulares e compartilharam as imagens com os demais colegas.

“Me senti violada, violentada. Na sequência, a gestão da escola criou um ofício dizendo que os estudantes se sentiam constrangidos de assistirem às minhas aulas por terem visto minha foto nua. Uma inversão de quem foi vítima na situação”, disse a professora.

A gestão da escola soube do ocorrido após uma coordenadora ver diversos estudantes reunidos e, ao se aproximar, ver que eles estavam olhando uma foto da professora nua. Mesmo assim, a gestão permitiu que ela trabalhasse até o final do dia com todos já sabendo do vazamento, exceto ela.

“Eu trabalhei até o quinto horário normalmente, sem saber de nada. Enquanto estava todo mundo já sabendo da situação, eu só vim a saber às 18 horas, quando a diretora, no final do dia, me chamou para uma reunião, dizendo que era [uma conversa] só eu entre mim e ela. Mas tinham seis pessoas na sala, me senti inibida e é onde ela me passou o fato. Fiquei estarrecida”, relembrou a professora.

Destratada em ambiente escolar

Professora denuncia que foi demitida após ter fotos nua vazadas por estudantes, em Alto Paraíso de Goiás — Foto: Divulgação/Bruna Barcelos

Professora denuncia que foi demitida após ter fotos nua vazadas por estudantes, em Alto Paraíso de Goiás — Foto: Divulgação/Bruna Barcelos

Após a situação, a professora contou que passou a ser destratada no ambiente escolar por parte de colegas e da gestão. Conforme a professora, ela tinha um contrato de cinco anos com a escola, e a demissão ocorreu em menos de oito meses após o início do contrato, em 2023.

Em resposta a um ofício em defesa da professora, a escola afirmou que o regimento escolar estipula que os professores não podem emprestar seus celulares de uso pessoal aos alunos. A instituição também destacou que as decisões foram tomadas em conformidade com o Estatuto da Criança e do Adolescente, que preconiza a proteção integral das crianças e seus direitos.

Bruna defende que o celular foi emprestado porque a escola não tinha aparelhos que fizessem filmagem e que o registro do evento, que fazia parte do Mês da Consciência Negra, era importante.

Solicitar que estudantes façam o registro de uma atividade é dotá-los de autonomia tem valor imprescindível para um ser humano livre e cidadão”, afirmou.

‘Sem dinheiro para me alimentar’

Em entrevista ao g1, a professora de história desabafou dizendo que, desde que foi demitida, em 2 de novembro do ano passado, tem vivido de favor na casa de pessoas porque não tem mais condições de pagar aluguel.

“Eu fui demitida em novembro, mas as consequências disso estão até hoje, porque eu fiquei sem como pagar o aluguel, estou vivendo na casa de pessoas, de 20 em 20 dias eu troco de casa. Tenho recebido muita humilhação, não estou tendo dinheiro para me alimentar, um constrangimento muito grande”, lamenta a professora.

Fonte: Por Larissa Feitosa, g1 Goiás