CARILLE RECUSA CARREATA EM RETORNO A SERTÃOZINHO E EXPLICA FÉRIAS AO LADO DO CELULAR

18 de dezembro de 2017 652

Fábio Carille está oficialmente em férias desde o último dia 3, depois da derrota do Corinthians por 1 a 0 para o Sport, em Recife. Entretanto, só neste fim de semana o técnico pôde voltar a Sertãozinho, município do interior localizado a cerca de 350 km da capital paulista. Campeão paulista e brasileiro em 2017, ele recusou desfilar pela cidade em cima de um caminhão do Corpo de Bombeiros, como alguns gostariam.

Pareceria que fui o salvador, o grande ou único responsável pelo título, e não gosto dessas coisas. Sei que houve movimentação. Falei que chegaria num dia e cheguei em outro, aprontei uma correria para a cidade, mas procurei evitar isso. Continuo sendo muito simples nas coisas que faço. Não gosto de badalação, de ficar me expondo demais”, afirmou Carille, em fala reproduzida pelo site Globoesporte.com.

Carille trocou a carreata por abraços e bate-papos com antigos amigos e moradores de Sertãozinho, onde cresceu ao lado do pai e da mãe. “Dei risada demais, esqueci bastante o esporte. Voltar às minhas origens é algo que não vou mudar nunca”, admitiu o treinador corinthiano.

Embora esteja longe do Corinthians e em recesso de fim de ano, Carille segue atento ao telefone. Mais do que isso, mantém contato a todo instante com o gerente de futebol do clube, Alessandro Nunes, responsável por fechar contratações e negociar eventuais saídas do elenco. Sobre o assunto, Carille diz que não ter férias “faz parte” da profissão.

“O corpo sai do CT do Corinthians, mas a alma, a cabeça, o telefone, conversando com os diretores do Corinthians praticamente o dia inteiro em cima de contratações e possíveis saídas. Faz parte. Totalmente de férias não tem jeito”, emendou.

Leia também:
Após sondagens, Corinthians e Marquinhos Gabriel negam possibilidade de empréstimo para 2018
Em entrevista ao Corinthians, Carille lembra conquista do Mundial de 2012

Até o momento, a diretoria do Timão acertou com um único reforço: o atacante Júnior Dutra, de 29 anos, ex-Avaí. Questionado se a movimentação do Corinthians no mercado da bola o faz perder o sono, o técnico é direto:

“Sou bem tranquilo. Sei que é assim, faz parte. Sei que muitos jogadores se destacaram, então, é normal uma saída, e temos que estar prontos para a saída de algum atleta. Temos que ter alguém na manga, pronto para trazer e não perder tempo. As informações que eu tenho são as oficiais. Normalmente, na internet tem muita especulação. Tem verdade, mas tem muita especulação. Se eu começo a ler muito, aí fico sem sono”, completou.