DATAGRO estima safra 2020/21 de soja em 135,68 mi t; consultoria reduz projeção do milho, mas mantém recorde

8 de março de 2021 89

No total das duas safras, País deve colher 109,62 mi t do cereal

O 5º levantamento da Consultoria DATAGRO para a safra brasileira 2020/21 de soja traz pequenos ajustes na estimativa de produção. Projeta-se colheita de 135,68 milhões de toneladas, pouco abaixo das 135,87 mi t da estimativa de janeiro e, em caso de confirmação, esse volume seria 7% superior à safra recorde da temporada 2019/20, quando o País colheu 127,15 mi t.

“Com as chuvas abundantes previstas para março, cerca de 95% da safra estaria garantida. Portanto, já podemos afirmar que teremos uma safra cheia e recorde. A preocupação vai limitando-se agora às dificuldades impostas pelo excesso de umidade para a colheita. E, neste caso, algumas perdas regionais estão acontecendo. Mas ainda nada que transforme radicalmente esse cenário de grande produção”, destaca Flávio Roberto de França Junior, coordenador de Grãos da DATAGRO.

Em relação à área plantada, o País passa de 37,39 milhões de hectares na temporada 2019/20 para 38,76 milhões na atual safra, avanço de cerca de 4%. Desse total, o Brasil colheu, até o dia 26 de fevereiro, 28,0% da área estimada, ante 15,1% na semana anterior; no mesmo período de 2020, os sojicultores brasileiros haviam colhido 44,4%; na média dos últimos 5 anos, 36,9%.

Milho
A DATAGRO prevê 24,036 milhões de toneladas para a 1ª safra de milho; 18,43 mi t no Centro-Sul e 5,6 mi t nas regiões Norte e Nordeste, volume 8% inferior aos 26,12 mi t da revisada safra passada. A área total da 1ª safra atingiu 4,29 milhões de hectares em 2021, 1% inferior aos 4,33 milhões de ha colhidos na temporada passada.

Na região Centro-Sul, a área deve chegar a 2,96 milhões de ha, praticamente estável sobre os 2,98 milhões de ha da temporada anterior; nas regiões Norte e Nordeste, 1,33 milhão de ha, 1% menor do que os 1,35 milhão de ha da safra passada.

A região Centro-Sul do Brasil colheu, até o dia 26 de fevereiro, 39,1% da área projetada, ante 29,9% na semana anterior, 37,4% no mesmo período da temporada passada e 28,2% na média dos últimos 5 anos.

Já para a safra de inverno de 2021, o Brasil ainda tem projeção de área de 15,31 milhões de ha, 5% superior aos 14,64 milhões de ha de 2020. Desse total, 13,13 milhões de ha viriam da região Centro-Sul e 2,18 milhões de ha das regiões Norte/Nordeste. E esse plantio deve ocorrer, mesmo que em boa parte fora das janelas ideais de semeadura.

O Brasil tem potencial na 2ª safra do milho de 85,58 milhões de t, 7% acima das 80,20 mi t da revisada safra que passou. Desse total, a região Centro-Sul responderia por 79,78 mi t, e as regiões Norte/Nordeste, por 5,79 mi t.

Até o dia 26 de fevereiro, a região Centro-Sul havia plantado 40,6% da área estimada para o milho de inverno, ante 22,2% na semana anterior, 67,1% na mesma época do ano passado e, na média dos últimos 5 anos, 59,5%.

No total das duas safras de milho, o Brasil tem previsão de área para 2020/21 de 19,60 milhões de ha, 3% acima dos 18,97 milhões de ha da safra anterior, e produção potencial ajustada para 109,62 milhões de t, contra 110,06 mi t do levantamento anterior, 3% acima das 106,32 mi t da safra recorde de 2019/20.

Fonte: TADEU ITAJUBÁ