Justiça da Itália mantém prisão perpétua de Battisti. Viu isso, Lula?

19 de novembro de 2019 568

A defesa de Cesare Battisti tentou usar um "acordo de comutação de pena" (para 30 anos) estipulado entre as autoridades italianas e brasileiras, em vista de sua extradição pelo Brasil. Mas não colou, já que ele foi expulso e não extraditado pela Bolívia após sua prisão em Santa Cruz de la Sierra.
Na verdade, ele teve até sorte. É que outro esquerdista famoso também foi preso em Santa Cruz. Ernesto "che" Guevara foi morto ali mesmo, dentro da prisão, com uma rajada de metralhadora. Não houve discurso ou despedida, como contam os filmes e livros. Ele nem mesmo sabia porque tinha sido mandado para a Bolívia, segundo o então capitão Gary Prado Salmón, comandante do pelotão que o emboscou e prendeu.
O militar conta que fedia tanto que, depois de morto, o corpo foi lavado para o enterro. E por conta da prisão o capitão quase foi morto no Rio de Janeiro, em 1968, onde fazia curso na Escola de Comando e Estado Maior do Exército. Militantes do Comando de Libertação Nacional (Colina) montou uma emboscada para “vingar a morte de Che”. Mas a esquerda, como sempre, errou o alvo. E matou o major alemão Edward Westernhagen, colega de curso de Gary Prado.

CARLOS HENRIQUE ÂNGELO (BLOG DO CHA)