Pré-candidatura do governador Marcos Rocha terá Redano como vice, composição está sendo articulada de forma cuidadosa, servidores da Seduc têm salários estornados

31 de março de 2022 69

Governador – O assunto é tratado com muita cautela nos bastidores da política, mas a fonte tem crédito e analisando a movimentação nos meios políticos, tem fundamento. Existe uma enorme possibilidade da composição de uma chapa, que deverá ser a grande surpresa das eleições ao governo do Estado de outubro próximo. O governador Marcos Rocha, presidente regional do União Brasil é pré-candidato à reeleição. Em passado recente comentava-se que a primeira dama de Porto Velho, Yeda Chaves, esposa do prefeito-reeleito em novembro último, Hildon Chaves poderia ser a vice de Marcos Rocha. Recentemente ela anunciou filiação ao União Brasil e anunciou uma pré-candidatura a deputada estadual.  

Governador II – Ocorre que informações dão conta que o pré-candidato a vice de Rocha já estaria definido, e que o nome não foi anunciado, porque as convenções partidárias para escolha dos candidatos estão distantes (20 de julho a 5 de agosto), por isso o momento não é oportuno. Mas trata-se de um dos políticos de maior ascensão popular-eleitoral dos últimos anos, o presidente da Assembleia Legislativa (Ale), Alex Redano, de Ariquemes, que preside o Republicanos em Rondônia. Seria a composição de Rocha, com domicílio eleitoral em Porto Velho (mais de 330 mil votos nas eleições de 2020) e Redano, político emergente, de Ariquemes (mais de 66 mil eleitores), terceiro colégio eleitoral do Estado.  

Liderança – A carreira política de Redano é ascendente, vitoriosa. Se elegeu vereador em Ariquemes, se reelegeu e foi eleito presidente da câmara. Disputou as eleições a deputado estadual e se elegeu. Após a reeleição foi eleito presidente da Assembleia Legislativa, cargo que ocupa desde fevereiro de 2021. Este ano se elegeu presidente do Colegiado Permanente de Presidentes das Assembleias Legislativas do Brasil, da Unale, que congrega 26 Estados e o Distrito Federal. A esposa de Redano, Carla, foi vereadora em dois mandatos seguidos e presidente do legislativo municipal e, nas eleições de novembro de 2020 se elegeu prefeita de Ariquemes. Caso se confirme nas convenções partidárias a dobradinha Rocha-Redano, e isso deverá ocorrer, a composição de nomes da capital e do interior deverá ser fundamental na pretensão de reeleição do governador Marcos Rocha. Quem viver verá...  

Vetos – Os deputados estaduais estiveram reunidos até tarde na noite de terça-feira (29). A galeria estava lotada de servidores do Estado, porque constava da pauta a votação do plano de cargos e salários de interesses deles. Outro problema ocorreu com o pagamento dos salários dos servidores da Secretaria de Estado da Educação-Seduc, que já estava no banco, mas foi estornado, porque já estava com aumento salarial, que dependia de aprovação dos deputados, após ser sancionado pelo governo, para ser incorporado. Como a pauta estava trancada, em razão de a necessidade de analisar vetos, cerca de 30, a sessão foi longa e com muitas negociações técnicas e políticas.  

Senado – O fim das coligações, não prejudicou, diretamente, somente os candidatos ao senado. Das três vagas de cada Estado e do Distrito Federal, somente uma estará na disputa e, quem fizer mais votos, não importa quanto, estará eleito. E quem está feliz e torcendo para que o número elevado de bons candidatos ao Senado aumente até as convenções partidárias é o ex-senador Expedito Júnior. Nas eleições a governador que disputou em 2014 e 2018, Júnior não ganhou, mas foi para o segundo turno e sempre esteve com votação acima de 30% dos votos válidos, nos dois turnos. Como nomes expressivos estão se apresentando como pré-candidatos ao Senado, como as deputadas federais Jaqueline Cassol e Mariana Carvalho, ex-prefeito e ex-deputado estadual Jesualdo Pires, empresário de Vilhena Jaime Bagattoli, que já provaram que são bons de votos o ex-senador será favorecido. Se Júnior conseguir 25% dos votos válidos, porcentual bem inferior que em 2014 e 2018 dificilmente não será o mais bem votado.  

Respigo  

Na coluna de terça-feira (29) publicamos a filiação do cacique Almir Suruí, de Cacoal ao PDT, e que provavelmente seria pré-candidato a deputado estadual. Suruí é sim, pré-candidato, mas a deputado federal, onde já marcou época o Cacique Juruna +++ O inverno amazônico (chuvas) está chegando ao fim, mas os temporais, que marcam a chegada do verão (seca) vêm causando problemas em Porto Velho. Ruas e avenidas alagadas, trânsito mais complicado do que já é expõe o deficiente sistema de saneamento básico da capital, que é precário +++ Nesta quarta-feira (30), por exemplo choveu forte durante a madrugada provocando alagações em vários bairros. E choveu com menor intensidade durante toda a manhã mantendo os alagamentos +++ Como o prefeito-reeleito Hildon Chaves (PSDB) tem mais dois anos e 9 meses pela frente, poderia priorizar os investimentos na área de saneamento básico, setor que não atende as mínimas necessidades da população. Recursos federais têm, basta que os representantes de Rondônia no Congresso Nacional priorizem suas ações, para que sejam liberados e lógico, com o apoio e participação da equipe do prefeito Hildon.

Fonte: WALDIR COSTA
RD POLITICA ( WC E REDAçãO)