Professora assume ter beijado aluno de 14 anos em mensagem e é demitida: 'só beijo não deu conta'.

22 de novembro de 2023 51

Uma professora de artes foi demitida após beijar um estudante de uma escola municipal em Praia Grande, no litoral de São Paulo. Conforme apurado pelo g1, nesta quarta-feira (22), ela enviou mensagens admitindo a situação para uma aluna e, inclusive, contou que queria ‘transar com ele’, que tem 14 anos e está no 9ª ano do Ensino Fundamental.

A docente foi denunciada à diretoria da Escola Municipal Vereador Felipe Avelino Moraes pela mãe da aluna para quem enviou as mensagens. Após o caso ganhar repercussão, tanto a estudante quanto o melhor amigo dela passaram a receber ameaças de colegas na unidade de ensino.

Em determinado momento, as ameaças viraram agressões. Três alunos bateram no adolescente –um deles o que teria beijado a professora — , que chegou a ser hospitalizado.

A empresária e mãe do aluno agredido, Helena Cristina Andria, de 51 anos, contou à reportagem que a diretora da escola permitiu que a professora tivesse acesso ao nome da autora da denúncia, o que desencadeou as ameaças e a agressão.

Em nota, a Prefeitura de Praia Grande, por meio da Secretaria de Educação (Seduc), informou que a professora foi demitida por má conduta. A pasta afirmou que a direção da escola reportou o caso ao Conselho Tutelar.

Ameaças, agressões e internação
De acordo com Helena, horas após a mãe da aluna fazer a denúncia, o filho e amiga foram cercados por sete alunos, sendo um deles o adolescente que teria sido beijado pela professora. A dupla conseguiu correr para dentro da escola.

Na ocasião, as mães acionaram a Guarda Civil Municipal (GCM) e registraram um Boletim de Ocorrência (BO) de ameaça no 3º Distrito Policial da cidade. Helena disse que os alunos não pararam de intimidar o filho, que deixou de ir e voltar da escola sozinho.

Na última terça-feira (14), a mãe da colega que dava carona não foi. “Quando ele chegou na esquina de casa, eles [três meninos, sendo um deles o que a professora teria beijado] já estavam esperando por ele. Foi premeditado”.

O adolescente foi jogado no chão e agredido com chutes e socos. O trio só parou de bater quando uma vizinha entrou no meio da confusão. Um BO de lesão corporal foi registrado e o menino foi levado ao Instituto Médico Legal (IML) com ferimentos na boca.

Três dias depois, o adolescente começou a sentir dores abdominais e foi levado pela mãe ao hospital. De acordo com Helena, foi constatado um hematoma interno causado pelas agressões. Desde sexta-feira (17), ele está internado sem previsão de alta.

“Ele foi agredido por achismo […]. Eu estou revoltada, indignada […]. Esses alunos falaram que ele estava apanhando por conta do ocorrido com a professora e ainda falaram o seguinte: ‘Sorte que a sua mãe vai chorar na porta da delegacia porque o certo é ela chorar na porta do cemitério’. No meu ponto de vista, isso é uma ameaça de morte”.

A Prefeitura de Praia Grande disse lamentar as agressões sofridas pelo aluno e que não compactua com essas atitudes. Por este motivo, a pasta afirmou que adotará ações de conscientização para os estudantes com o objetivo de que novos casos não aconteçam.

Denúncia
Após as agressões, Helena foi até a escola questionar a diretoria sobre as providências que tinham tomado sobre o assunto. Segundo ela, a responsável pela unidade de ensino disse que ainda não tinha comunicado os pais dos alunos, inclusive, do menino que teria sido beijado pela professora.

O advogado de Helena, Thiago Rodrigues, informou à reportagem que entrará com uma denúncia no Ministério Público (MP) para apuração da conduta da professora e da diretoria da unidade de ensino. Em relação as agressões, um inquérito policial será instaurado para investigar o caso.

“A diretora deveria ter tomado cuidado, averiguado a situação e tomado a providência necessária em relação à professora e preservado a criança”, afirmou o advogado.

O g1 tentou contato com a professora acusada, mas não a localizou até a última atualização. A reportagem questionou a Secretaria de Segurança Pública do Estado de São Paulo (SSP-SP) sobre as investigações do caso, mas não teve retorno.

Fonte: por edinaldo1