Rede insustentável

14 de janeiro de 2022 56

Quando Marina Silva lançou o Rede Sustentabilidade, em 2013, a expectativa era tornar-se um dos partidos de destaque da oposição. Não conseguiu se viabilizar em 2014 por questões burocráticas, e a ex-ministra disputou a Presidência da República em 2014 pelo PSB, após a morte de Eduardo Campos em um acidente aéreo. Ficou em terceiro lugar, com 21,32% dos votos, o que a credenciou a obter o registro da nova legenda em 2015. Com o apoio da ex-senadora Heloísa Helena, Marina disputou a Presidência em 2018 pela Rede, mas a legenda não decolou. Ela fez apenas 1% dos votos, embora tenha eleito cinco senadores. De lá para cá, o partido entrou em crise, perdeu quatro senadores e hoje luta pela sobrevivência, podendo até ser extinto este ano por conta da cláusula de barreira.

Vida ou

Dos cinco senadores eleitos pela Rede em 2018, só restou um: Randolfe Rodrigues (AP), que deve disputar a reeleição. Os
demais debandaram: Alessandro Vieira (Cidadania), Fabiano Contarato (PT), Flávio Arns e Styvenson Valentim (ambos para o Podemos). Agora, se não fizer uma bancada mínima, o risco é o partido acabar após as eleições de 2022.

Morte

Para evitar a tragédia, a Rede decidiu lançar as candidaturas de Marina e de Heloísa como candidatas a deputadas federais para puxarem votos para a legenda. É a primeira vez, desde 2010, que Marina não disputa a Presidência. É o combate “de vida ou morte” travado pela Rede, como diz HH. O partido só tem uma deputada, a indígena Joenia Wapichana.

Fogo cruzado

Gil Leonardi / Agência Minas

Romeu Zema está recebendo tiros de todos os lados. Bolsonaristas e petistas se uniram para detonar seu governo na Assembleia de Minas Gerais. Como o governador mineiro acena com a possibilidade de apoiar Sergio Moro para presidente, os seguidores de Lula e Bolsonaro querem minar sua gestão, como o congelamento da tabela de IPVA de 2022,
o que representa uma perda de R$ 1,5 bilhão aos cofres públicos.

Retrato falado

“Lula debocha do povo. Quem destruiu e roubou a Petrobras foi o PT” (Crédito:Pablo Valadares/Câmara dos Deputados)

O deputado Marcel van Hatten fez um contundente depoimento na Câmara no final do ano acusando o PT de ter quebrado a Petrobras no período em que governou o País. Segundo o parlamentar, apesar de o partido ter destruído e espoliado a Petrobras, e de ter deixado um legado de 14 milhões de desempregados, Lula coloca a culpa na Justiça pelos problemas enfrentados pela estatal. Para o deputado, o MPF apenas procurou resgatar o dinheiro que foi desviado da petrolífera.

Toma lá dá cá

Tasso Jereissati, senador do PSDB-CE (Crédito:Jefferson Rudy)

O que achou de Bolsonaro tirar férias enquanto a Bahia estava submersa?
Foi um tapa na cara da população. Uma demonstração de falta total de sensibilidade, empatia e qualquer
tipo de solidariedade.

O que representa o diálogo entre Moro e Doria? Há chance de aliança?
Os diálogos devem ser aprofundados. O ideal seria não só uma aliança entre Moro e Doria, mas com todos os outros. Acho, porém, difícil ter um como cabeça de chapa e o outro como vice: quem vai abrir mão de ser o titular?

O que acha sobre o desembarque dos bolsonaristas do PSDB?
Deviam desembarcar logo, porque quem é bolsonarista não representa o PSDB. A visão de mundo de Bolsonaro é oposta à do partido. Suas atitudes são inaceitáveis.

Trabalho precário

O governo se vangloria de ter aberto algumas novas vagas de emprego em 2021, mas o fato é que o desemprego ainda está muito alto no Brasil, com 12,9 milhões de pessoas sem trabalho. Pior do que isso, contudo, é que quase a metade da população empregada (49,3%) ocupa vagas que pagam baixíssimos salários, sem carteira assinada ou com trabalhos informais, sem nenhuma proteção social. Os dados são de pesquisa da Pnad Contínua, feita pelo IBGE, um dos órgãos mais sérios do governo federal. De acordo com esse levantamento, a renda média do trabalhador empregado foi de R$ 2.449,00 em outubro, que é a menor renda desde 2012, quando o governo começou a compilar os números.

Sobrevivência em risco

Com o baixo salário, 80,9% não conseguem comprar pelo menos seis cestas básicas por mês, o que é insuficiente para uma família sobreviver. A pesquisa apurou ainda que 36,4% das pessoas recebem salário mínimo (em 2019 eram 29,2%) e outros 35,1% ganham dois salários mínimos (em 2019 eram 28,8%). Só piora.

Uma ministra durona

Bolsonaro não terá boas notícias vindas do Judiciário este ano. Além do ministro Alexandre de Moraes tomar posse no TSE em setembro, sendo o responsável pela condução do processo eleitoral de outubro, nesse mesmo mês o ministro Luiz Fux deixa a presidência do STF para dar lugar a ministra Rosa Weber, que tem jogado duro com o governo.

Divulgação

Decisões contundentes

Rosa está no tribunal há dez anos e nunca tomou medidas mais drásticas, mas nos últimos meses tem adotado posições mais severas, sobretudo contra o governo. Uma das mais importantes foi a que interrompeu o pagamento das emendas de relator e também a que suspendeu os decretos que flexibilizaram a posse de armas. Com 73 anos, se aposenta em 2023.

“General Lexotan caça comunistas”

Alex Silva

O presidente do Cidadania, Roberto Freire, está indignado com a postura do general Augusto Heleno, ministro-chefe do gabinete de Segurança Institucional da Presidência da República. “Enquanto a segurança digital do governo está colapsada, com ataques diários aos computadores dos órgãos governamentais, o general Heleno-Lexotan caça fantasmas do comunismo”, disse.

Rápidas

* Depois do escândalo do orçamento secreto e de medidas impopulares como o aumento do fundo eleitoral para R$ 4,9 bilhões, o Congresso tem a pior avaliação dos últimos três anos: apenas 10% aprovam a atuação dos parlamentares e 41% acham que é ruim ou péssima.

* Embora 20 milhões de brasileiros passem fome e tomem sopa de ossos, Jair Bolsonaro gastou R$ 4,98 milhões com as motociatas fascistas que realizou no ano passado. As despesas foram pagas com cartão corporativo.

* Alvaro Dias decidiu dis- putar a reeleição para o Senado. Estava indeciso, pois não desejava trombar com Sergio Moro, que pensou em ser senador, mas a definição do ex-juiz pela presidência abriu-lhe caminho para novo mandato.

* Milico é prioridade. O Ministério da Defesa ficou com o terceiro maior orçamento (R$ 116,3 bilhões), muito acima dos valores destinados para a Infraestrutura (R$ 18,2 bilhões) e Meio Ambiente (R$ 3,1 bilhões).

Fonte: ISTOÉ/Ricardo Kertzman