Troca-troca partidário envolvendo os candidatos

28 de março de 2024 43

Ações perfeitas

Depois de tanto ser explorada, agredida e lesada por estrangeiros no passado, a Amazônia deve ter cuidados com as relações internacionais, mas sem a xenofobia, sentimento negativo que gera incompreensões preconceituosas, afastando boas parcerias e a cooperação mundial para o melhor uso e maior proteção da floresta.

Com o desenvolvimento da tecnologia e a recuperação da confiança mundial no Brasil novas formas promissoras de cooperação internacional se abrem. É o caso do Fundo para a Biodiversidade da Amazônia, que vem de liberar recursos para a interessante proposta da Horta da Terra, startup produtora de plantas alimentícias não convencionais. É uma área com ampla variedade de plantas, desde o cariru até a vinagreira vermelha, com rápida passagem pelo processamento e exportação.

A Horta da Terra restaura 80% da terra e em 20% pratica a agricultura regenerativa e sintrópica. O Fundo foi criado pela filial brasileira da agência de ajuda do governo dos EUA (Usaid), Alliance of Bioversity International e Centro Internacional de Agricultura Tropical. Ao mesmo tempo em que amplia a cooperação positiva, a região precisa estar atenta ao combate ao crime. Excelente exemplo é a construção do centro internacional de segurança para a Amazônia, em Manaus, para unificar as ações dos países amazônicos de proteção à floresta.

.........................................................................................

As identidades

Analisando a largada dos três principais possíveis candidatos à prefeitura de Porto Velho é possível constatar as diferenças e projetar alguma coisa para o primeiro turno em outubro. Quando se fala de Mariana Carvalho (Republicanos), se entende que é o nome com maior identificação com o prefeito Hildon Chaves, por isto favorita para desembarcar no segundo turno, dada a elevada popularidade do alcaide que provou que transfere prestigio nas eleições de 2022. Quando se fala do deputado federal Fernando Máximo (União Brasil), seu nome é ligado ao governador Marcos Rocha (União Brasil), cujo governo tem fraquejado muito na saúde e na segurança pública.

Uma terceira via

O ex-deputado federal Leo Moraes (Podemos) tem pouca identidade com o governo Marcos Rocha e é considerado o nome que mais congrega o eleitorado de oposição ao prefeito Hildon Chaves. É realmente uma terceira via na eleição da capital, sem precisar de padrinhos, como os demais candidatos. Leo tem luz própria para fazer frente a Mariana e Fernando Máximo e ameaça chegar no segundo turno. Nem anunciou a candidatura e já está coladinho nos nomes considerados de ponteira.

Troca-troca

Espera-se, nos próximos dias um troca-troca partidário envolvendo os candidatos que estão polarizando a largada em Porto Velho na peleja pelo Prédio do Relógio, sede do governo municipal. De um lado o deputado federal Fernando Máximo, deixando o União Brasil, ingressando no PL do ex-presidente Jair Messias Bolsonaro. Tudo está costurado pelos caciques Marcos Rogerio e Jaime Bagatolli, que tem o mando do partido em Rondônia. Se vingar, será uma grande cartada do senador Marcos Rogério que ganha um candidato realmente competitivo na capital.

No União Brasil

De outro lado vai se desenhando o acordo do prefeito Hildon Chaves com o governador Marcos Rocha, num pacto de apoio a ex-deputada federal Mariana Carvalho (Progressistas). Como a esfera nacional do União Brasil exige candidaturas próprias nas capitais, para acomodar todos os interesses envolvidos especula-se que Mariana poderá se transferir em abril, para o União Brasil. Estaria, então, formado o tripé, União Brasil/Progressistas/ PSDB, liderando uma grande coalizão partidária para enfrentar Fernando Máximo e Leo Moraes (Podemos). O último ainda não se decidiu, se entra ou não na peleja sucessória de Hildon Chaves.

As pesquisas

Constato nas primeiras pesquisas do ano, que os institutos não têm inserido o nome da deputada federal Cristiane Lopes (União Brasil) no rol dos candidatos à prefeitura de PVH. Sendo honestos, os institutos deveriam acrescentar o nome de Cristiane, já que ela teve uma excepcional votação no pleito anterior na disputa com Hildon Chaves e também é um dos nomes cogitados nos meios políticos. Mesmo porque com Cristiane na enquete muda alguma coisa nos percentuais de Máximo e Leo Moraes, ambos com penetração no voto evangélico, mas onde Cristiane é soberana. Cristiane   inserida na pesquisa, tira intenções de votos de Máximo e Leo. Não atinge Mariana.

Via Direta

 

*** O senador Confúcio Moura, presidente da Comissão de Infraestrutura do Senado está entusiasmado com as obras prometidas pelo governo Lula para Rondônia *** Já está acertando até a presença do atual presidente lançamento das obras da ponte binacional Brasil/Bolívia em Guajará Mirim *** Comemorando 60 anos da sua fundação, a Eucatur se agiganta no cenário nacional, aumentando sua participação no setor de transporte interestadual de passageiros, atingindo vários estados e muitos países da América do Sul *** E agora, como ficarão as previsões de seca extrema em Rondônia com as cheias nos rios no interior e o repiquete que está acontecendo no Rio Madeira, em Porto Velho?

Fonte: CARLOS SPERANÇA
POLITICA & POLÍTICOS (CARLOS SPERANÇA)

Colunista político do Jornal "DIÁRIO DA AMAZÔNIA", Ex-presidente do SINJOR, Carlos Sperança Neto é colaborador do Quenoticias.com.br. E-mail: csperanca@enter-net.com.br