UMA DIVAGAÇÃO SOBRE AS INCERTEZAS DO PRESENTE

13 de dezembro de 2021 98

Não há, como algumas vezes, por diletantismo ou especulação, não pensar em como se comportariam certos personagens no mundo moderno. Deveria, por exemplo, para Aristóteles ser um prazer constatar que sua tese de que se deveria rejeitar, o que seu mestre Platão aceitava, a comunidade de bens por considerá-la injusta por não compensar o indivíduo segundo o seu trabalho (ainda que, hoje, a noção de trabalho esteja tão distante do que foi). Para o filósofo os indivíduos não são iguais, portanto não deviam ter a mesma participação na posse dos bens, daí, que a comunidade acabava produzindo mais conflitos do que a desigualdade em si. Segundo ele, o indivíduo devia preocupar-se mais com o que lhe pertence (um pensamento que a juventude atual aprovaria ou, pelo menos, se comporta desta forma) e não com a partilha dos bens existentes. A conclusão dele serve, muito bem, para a Alemanha comunista, para Cuba ou para a dissolução da antiga União Soviética, pois, segundo ele, a comunidade, ao desestimular a propriedade, produz a pobreza. Fiquei pensando a este respeito, as ideias do passado, do muito passado, aliás, pelo olhar tristonho que tenho sobre o presente. A incerteza que nos cerca é mais fruto do apego ao passado do que pensar no futuro. O mundo caminha, cada vez mais, para a que chamamos de Nova Economia, onde as pessoas serão retribuídas conforme sejam capazes de empreender, de criar novos processos, novas formas de gerar valor, uberização em larga escala também e disseminação de novas empresas e de inovação. É preciso urgente, para o Brasil assumir seu destino de grande nação, terminar com os subsídios, o apadrinhamento dos grandes oligopólios, a falta de transparência, se ter a mão protetora do estado dizendo quem ganha e quem perde, quem pode ou não fazer algo, diminuindo o peso sobre o setor privado. É preciso que as pessoas compreendam que os tempos mudaram. Que somente se sustentam os direitos que tem substrato econômico e os empregos que geram valor. Há, no nosso país, um monte de empregos dispensáveis, que elevam os custos das mercadorias e será natural que desapareçam. Não é ruim que o estado sustente os que não tem como sobreviver, que dê auxilio emergencial, mas, é preciso entender que isto é fruto de uma questão excepcional: as restrições da pandemia. Porém, isto, aí o grande mérito do governo atual, foi feito com controle dos gastos públicos e, pela primeira vez, desde 2003 se pode ter um superávit das contas públicas.

Enfim, o que quero dizer é que, apesar das velhas ideias que nos dominam, e a imensa torcida do contra, Adam Smith, se pudesse olhar o presente do Brasil, nem teria a visão da mídia e da oposição de que tudo está ruim e, certamente, seria mais otimista do que sou. Deve ser a questão de que, de alguma forma, já acreditei que o governo poderia criar desenvolvimento. Hoje sei que, apenas, pode não atrapalhar. Que 2022 torne as opções mais claras, se isto for possível

Fonte: SILVIO PERSIVO
A POLITICA VISTA POR UM POETA ( SILVIO PERSIVO

Colaborador do quenoticias.com.br, Silvio Persivo é Economista com Doutorado em Desenvolvimento Sustentável pelo NAEA, escritor, poeta e professor de Economia Internacional e Planejamento Estratégico da UNIR. E-mail: silvio.persivo@gmail.com