Vice da Libertadores aumenta pressão no Flamengo sobre Renato Gaúcho e departamento médico

28 de novembro de 2021 125

O vice-campeonato da Libertadores aumentará a pressão no Flamengo sobre o técnico Renato Gaúcho e o trabalho da comissão técnica e do departamento médico. Sobretudo pelo mau desempenho da equipe aliado a mais um caso de lesão na final contra o Palmeiras.

Filipe Luís saiu machucado ainda no primeiro tempo, e jogadores como Bruno Henrique e Éverton Ribeiro se apresentaram bem abaixo fisicamente, saindo no decorrer da partida. O próprio treinador tentou preservar ao máximo o elenco para a grande decisão, mas já admitia que haveria sacrifícios.

Arrascaeta, dúvida até a última semana, jogou 90 minutos após ter lesão grave com o Uruguai. O sucesso na recuperação, porém, não permitiu tempo para treinamentos e maior afinação entre os jogadores de ataque.

A falta de ideias, aliada a este desempenho físico, cai sobre os sombros de Renato. O técnico tem contrato até o fim de dezembro, e mais três partidas do Brasileiro a disputar. Sem o Mundial de Clubes pela frente, a renovação é dada como improvável até por seu estafe. O tema será debatido pela diretoria a partir do retorno da delegação ao Rio, hoje.

Recentemente, o treinador chegou a colocar o cargo após eliminação na Copa do Brasil. No entanto, a diretoria apostou na volta por cima para a final da Libertadores, com apoio dos jogadores. O presidente Rodolfo Landim e o vice de futebol Marcos Braz chegaram a recuar em uma entrevista coletiva do próprio Braz, que falaria sobre as lesões.

O departamento médico e a comissão técnica ficaram pressionados por apresentar melhores resultados, mas também estavam contrariados pelo clube não valorizar alguns funcionários. Nesse cenário, um processo de reformulação ganhou força, mas a diretoria pretendia fazer uma avaliação final ao término da temporada. Sem muito o que disputar, esse processo ganhará impulso no Flamengo, que tem eleição para presidente no sábado, dia 4 de dezembro. Landim é favorito, apesar do ano ruim no futebol, só com título estadual.

A frustração pelo tricampeonato do Flamengo é a terceira de Renato Gaúcho em uma final de Libertadores. Nas duas anteriores, uma foi como técnico, outra como jogador.

A última decepção antes da derrota para o Palmeiras foi em sua primeira Libertadores como treinador, comandando o Fluminense em 2008, há 13 anos. O time carioca perdeu para a LDU-EQU, nos pênaltis, no Maracanã.

Como atleta, Renato Gaúcho tropeçou no ano seguinte ao primeiro título, com o Grêmio, em 1983. Em 1984, o ídolo da camisa sete foi derrotado para o Independiente-ARG. Renato Gaúcho tem apenas o título de 2017 com o Grêmio no currículo.

Fonte: EXTRA/Diogo Dantas