BENEFICIAR AÉCIO FOI DANO COLATERAL DA PROTEÇÃO À LEI, DIZ EUGÊNIO ARAGÃO

13 de outubro de 2017 365

247 - O ex-ministro da Justiça Eugênio Aragão afirmou que ministros do Supremo Tribunal Federal se preocuparam menos com a Constituição e mais em salvar o senador Aécio Neves (PSDB) na decisão em que, por 6 votos a 5, decidiram que a última palavra sobre afastamento de parlamentares cabe às respectivas Casas Legislativas. 

"Há no STF uma boa parcela entre os que votaram pela audiência do Senado que o fizeram para salvar a pele do Aécio. Fortalecer a Constituição, para estes, foi um indesejável mas inevitável dano colateral. É o contrário de nós que defendemos a Constituição e a democracia da soberania popular, para quem beneficiar o Aécio não passou de um indesejável mas inevitável dano colateral", disse Aragão numa rede social.