Checamos: É falsa a notícia de que manifestação na Avenida Paulista reuniu 1 mil pessoas

27 de novembro de 2023 59

Ao contrário do que foi noticiado pelo portal UOL, neste domingo, 26, uma considerável multidão ocupou a Avenida Paulista em um ato de protesto contra abusos do Supremo Tribunal Federal (STF) e em apoio ao Estado Democrático de Direito. O evento contou com a presença de diversos parlamentares, incluindo Thiago Manzoni, Nikolas Ferreira, Magno Malta, Jorge Seif, Sóstenes Cavalcante, Thiago Gagliasso, Bia Kicis, Marcel Van Hattem, entre outros líderes da direita brasileira.

Para obter informações sobre a dimensão do protesto, o Conexão Política entrou em contato com a organização do evento, que ainda não divulgou números oficiais de participantes.

O Conexão Política também buscou a Polícia Militar do Estado de São Paulo, instituição que monitora os eventos por meio de patrulhas e geralmente fornece estimativas sobre as multidões presentes. No entanto, até a manhã desta segunda-feira (27), não foram divulgadas estimativas oficiais.

É notável que a reportagem do UOL, possivelmente, não recorreu às fontes tradicionais de informação sobre manifestações, uma vez que veículos de mídia costumam incluir em suas reportagens dados fornecidos pelos organizadores do evento, bem como estimativas calculadas pela Polícia Militar. Ambos, como mencionado, ainda não divulgaram números até o momento.

Mesmo sem confirmações oficiais sobre a adesão deste domingo, 26, na Paulista, amplamente divulgadas nas redes sociais, as imagens mostram a dimensão da manifestação, que claramente não se limitou a 1 mil pessoas, como reportado pelo UOL.

Os organizadores do evento dispuseram de um trio elétrico em frente ao Museu de Artes de São Paulo (MASP), com a participação expressiva do público em ambas as direções, conforme evidenciado em diversos registros, tanto em fotos quanto em vídeos. Parlamentares e representantes da direita discursaram no veículo. Todo o público presente se estendeu pelo epicentro do MASP, alcançando também as ruas Itapeva e Peixoto Gomide.

A relevância do ato se fundamentou em três pilares: o impeachment de Alexandre de Moraes, a independência dos Três Poderes e a busca por justiça pela morte do empresário Gleidson Pereira da Cunha, ocorrida na Penitenciária da Papuda, em Brasília.

 

Fonte: CONEXÃO POLÍTICA