Deputado do RN afirma que "LGBTs precisam de tratamento psiquiátrico"

23 de junho de 2022 26

Recém-empossado deputado estadual na Assembleia Legislativa do Rio Grande Norte (Alrn), Michael Diniz (Solidariedade-RN) declarou nesta quarta-feira (22) que "despreza o movimento LGBT" e afirmou que as pessoas não heterossexuais precisam de tratamento psiquiátrico. 

A declaração LGBTfóbica do parlamentar foi dada durante sessão plenária. Michael Diniz criticou uma artista trans que fez uma sessão de fotos vestida como Nossa Senhora. 

"Pedem respeito e desrespeitam a fé alheia. Buscam fazer uma lacração de forma absurda [...] sinceramente, eu acredito que esse povo precisa de um tratamento psiquiatra (sic) urgente", declarou Diniz. 

Além disso, o parlamentar declarou que despreza o movimento LGBT. "Eu demonstro meu repúdio, demonstro desprezo por todo esse movimento LGBT", disse. 

Em seguida, Michael Diniz utiliza um argumento antigo entre os fundamentalistas, de que respeita os homossexuais, mas não o movimento LGBT, como se fosse possível dissociar um do outro. 
Solidariedade repudia fala do parlamentar 

Em nota, o Solidariedade, partido do deputado Michael Diniz, declarou que não concorda com as declarações e que a sigla é orientada no sentido de combate a qualquer forma de preconceito e discriminação. 

"O partido é formado sob a base de que todos devem e podem encontrar na agremiação uma plataforma para discutir e defender suas ideias com tolerância e respeito. As posições do deputado Michael Diniz não refletem a opinião formal do partido e não fazem parte das bandeiras partidárias". 
 

Deputada do PT reage às declarações de ódio 

A deputada Isolda Dantas (PT-RN) reagiu às declarações do colega. Em vídeo postado em suas redes, Isolda desmonta o argumento do parlamentar e afirma que a extrema direita não se preocupa de fato com as crianças, como adoram alardear. "Eu acredito na luta e tenho certeza de que nós vamos conseguir varrer esse tipo de discurso das nossas assembleias e da sociedade. Nós não podemos aceitar que as pessoas usem a fé para destilar o ódio", disse. 

Fonte: REVISTA FÓRUM/MARCELO Hailer