Diplomacia ambiental + Cassados renitentes + Cotação alta + Baita autofagia

7 de abril de 2021 29

Diplomacia ambiental

O cientista político Hussein Kalout, da Universidade de Harvard, interessado em soluções pacíficas e rápidas para o agravamento dos rigores climáticos, propôs que o Brasil formule uma “diplomacia ambiental regional” para tirar o país da visão negativa produzida pela má diplomacia dos últimos anos.

O negacionismo sobre o desmatamento, desmoralizado por satélites cada vez mais precisos, na trilha rápida do desenvolvimento tecnológico, fez o mundo olhar para a região com horror aos massacres de índios, rejeição ao desmatamento e medo dos vírus que podem se espalhar a partir da região por conta do desequilíbrio ambiental.

O governo britânico tentou inserir o clima no rol dos problemas mundiais de segurança, sendo contido pela China e pela Rússia, mas se o ex-presidente Donald Trump não se importava com o tema, o democrata Joe Biden elegeu a questão climático-ambiental como a maior obsessão dos EUA. Já não é segredo que os EUA têm uma pauta de exigências ao Brasil que se não forem cumpridas renderão sanções em escala crescente, como se aqui fosse um Irã ou Coreia do Norte climáticos.

É urgente se antecipar e produzir uma agenda positiva para a região, combinando clima, ambiente e bioeconomia num todo coerente, que não possa ser contestado por interesses negativistas interessados em impor cabresto a um país soberano.

..........................................................................

Muito pior

O que já era ruim pode ficar pior ainda com relação a pandemia do coronavirus. O senador Confúcio Moura vê a situação com extrema preocupação e prevê o mês de abril com um novo recorde de mortes no Brasil, podendo chegar a 400 mil almas. O ex-governador é médico, entende do assunto e tem cobrado com insistência um novo rumo para o Plano Nacional de Imunização que não tem conseguido reverter uma situação de colapso na saúde em todo o País.

Cassados renitentes

Alguns suplentes de deputados estaduais estavam já comemorando eventuais posses, no entanto os cassados ou possivelmente afastados estão mais renitentes do que nunca. O suplente mais próximo de assumir é o ex-deputado estadual Ribamar Araújo na cadeira do deputado Aélcio da TV (PP), cassado em todas as instâncias, mas apegado ao cargo como um carrapato e sempre recorrendo para prolongar mais um pouquinho seu mandato. Eventuais punidos por malfeitos também são beneficiados pela pandemia já que com o covid a comissão de ética está dando um tempo.

Cotação alta

É bem possível que na próxima legislatura da Assembleia Legislativa sejam reprovados pelo menos quatro dos dez representantes estaduais com base em Porto Velho. Alguns nomes surgem como emergentes para chegar ao parlamento estadual, seja alguém com boa estrutura financeira como o presidente da Câmara de Vereadores da capital Edwaldo Negreiros, ou emergentes como Vinicius Miguel (Cidadania) e Coronel Rosa (PSDB), ambos servindo a gestão Hildon Chaves (PSDB). Além deles ainda temos nas paradas o populista Breno Mendes (Avante).

Leitura petista

A leitura petista para as eleições de 2022 em Rondônia é de uma retomada dos bons tempos, quando o partido elegia prefeito, senadora, deputados federais e estaduais. Convencionais acreditam que com Lula voltando as lides políticas teremos uma nova onda vermelha proporcionando a eleição de representantes em todos os níveis e de até uma cadeira ao Senado. Mas o PT rondoniense não é mais combativo como antes e precisa se reestruturar melhor para voltar aos bons tempos de Roberto Sobrinho, Fátima Cleide, Eduardo Valverde e Anselmo de Jesus.

Baita autofagia

Porto Velho já conta com quatro prováveis candidatos ao governo do estado no ano que vem, num processo de autofagia político monumental. Senão vejamos:  contamos com o governador Marcos Rocha para a reeleição, o prefeito Hildon Chaves (PSDB), o deputado federal Leo Moraes (Podemos), o dirigente Ramon Cujuí (PT). O interior comemora tanto divisionismo, já que seus candidatos mesmo não ganhando na capital, serão beneficiados pela fragmentação do eleitorado portovelhense.

Via Direta

 

*** Depois do repiquete do Rio Madeira em Porto Velho, começa o nosso verão amazônico. Sol no lombo e em maio o início das queimadas e grossas camadas de fumaça no ar *** Quem aproveita a volta do sol é o prefeito Hildon Chaves, com múltiplas frentes de trabalho na capital rondoniense ***As Lojas Havan espicham as obras de sua nova loja em Rondônia nas proximidades do Trevo do Roque em Porto Velho ***Tem carne bovina com origem clandestina vendida na periferia dos centros urbanos em Porto Velho *** Com certeza é gado roubado. É preciso conferir na compra da carne a origem e a inspeção sanitária *** Com lockdows meia boca, a pandemia só vai se alastrar em Rondônia também neste mês de abril ***Confiram no final do mês a tragédia.

Fonte: CARLOS SPERANÇA
POLITICA & POLÍTICOS (CARLOS SPERANÇA)

Colunista político do Jornal "DIÁRIO DA AMAZÔNIA", Ex-presidente do SINJOR, Carlos Sperança Neto é colaborador do Quenoticias.com.br. E-mail: csperanca@enter-net.com.br