Falta de sexo faz mal à saúde? Saiba quanto tempo de abstinência pode ser prejudicial

11 de agosto de 2022 488

Ficar anos sem ter relações sexuais traz riscos à saúde? De acordo com a psiquiatra Carmita Abdo, coordenadora do programa de estudos em sexualidade da USP, a abstinência involuntária faz sim, mal à saúde e pode provocar angústia, mal-estar e desconforto.

“É uma questão pessoal e de livre-arbítrio. Aqueles que não querem fazer sexo por um determinado período, se não estiverem em sofrimento, não precisam se preocupar. O problema é quando se quer fazer, porém, por inúmeros motivos, como falta de oportunidade, de um local adequado ou de um parceiro, não faz e sente a necessidade daquilo. Isso causa um sentimento de vazio, um desejo descontrolado, levando a desfechos negativos”, explica a psiquiatra ao repórter Eduardo F. Filho, do Globo.


TE PODRÍA INTERESAR
Projeto de Lei que propõe abstinência sexual em SP é retrógrado e ineficaz – Por Isa Penna
Projeto de Lei que propõe abstinência sexual em SP é retrógrado e ineficaz – Por Isa Penna
Prefeitura de SP, de Ricardo Nunes, apoia projeto que prega abstinência sexual para adolescentes
Prefeitura de SP, de Ricardo Nunes, apoia projeto que prega abstinência sexual para adolescentes
Os desfechos negativos podem provocar crise de ansiedade criada pelo desejo insatisfeito, que pode evoluir para depressão do sistema imunológico e posteriormente do sistema nervoso central.

“São várias as indagações que se passam na cabeça dessa pessoa, que acaba tendo seu quadro de saúde agravado e contribuindo para um maior período sem relações sexuais. Ela começa a se perguntar se é bonita o suficiente ou o porquê de ninguém se interessar por ela a ponto de não querer ir para a cama. Há outros desdobramentos também, como rejeitar contatos sexuais, por não ter tido êxito nas atividades anteriores e querer evitar novos vexames. É uma bola de neve, que vai ficando cada vez maior até explodir em ansiedade, depressão, vulnerabilidade imunológica e doenças físicas”, descreve a professora.
TE PODRÍA INTERESAR
Damares Alves contrata profissionais para atuarem no programa de abstinência sexual
Damares Alves contrata profissionais para atuarem no programa de abstinência sexual
Revista internacional de saúde desaprova políticas de abstinência sexual de Damares
Revista internacional de saúde desaprova políticas de abstinência sexual de Damares
Tempo é variável
De acordo com Carmita Abdo, o tempo máximo de intervalo até essa falta prejudicar a saúde é variável. Uma pessoa que faz sexo ao menos três vezes por semana, começa a sentir os primeiros sinais de sofrimento depois de cerca de 30 dias sem sexo. Já aqueles que mantêm relações espaçadas em 15 a 20 dias, ter um hiato de três a quatro meses não é algo preocupante.

A frequência sexual varia de acordo com a idade, depende de diversos fatores, como estilo de vida, saúde e libido, e tende a cair ao longo dos anos, conforme estudo do Instituto Kinsey para Pesquisas em Sexo, Gênero e Reprodução, nos Estados Unidos.

“É normal ter essa queda no número de atividades sexuais com o decorrer dos anos em razão do aumento de responsabilidade. Os adultos têm emprego, filhos, orçamento doméstico, entre outras situações que acabam tirando o sexo do primeiro plano”, encerra a psiquiatra.

Com informações do Globo

Fonte: REVISTA FÓRUM/POR Julinho Bittencourt