Investigação dupla + Coração balança + Na liderança + Baita fria!

5 de março de 2021 112

Investigação dupla

Na maior floresta tropical do planeta, um universo à parte formado por águas, ar, flora, fauna e povos, cada elemento que a compõe assume um duplo caráter na definição de uma nova forma de desenvolvimento, à qual já se convencionou chamar de bioeconomia e é o segundo ótimo consenso deste início de nova e desafiadora década.

O primeiro consenso, forçado pela tragédia sanitária, é o de que não cabe negacionismo, corpo mole ou a teimosa prevaricação quando se trata de saúde, especialmente na letalidade de uma epidemia implacável, que se não mata deixa sequelas reveladas nos meses seguintes à cura, real ou aparente.

A bioeconomia, o segundo consenso, impõe a cada planta, animal ou ser humano, a cada metro cúbico de ares e águas, a dupla necessidade de aprender o máximo sobre cada um e ao mesmo tempo aplicar o saber disponível para investigar de que forma possa render mais, seja como fator de aproveitamento imediato para obtenção de renda ou como item de preservação.

O que a bioeconomia traz de mais impactante em sua ascensão irresistível como a nova forma de desenvolvimento da Amazônia e do Brasil é propor uma investigação criteriosa sobre o que rende mais para todos: extrair, usar, vender ou simplesmente proteger. Tal investigação, ainda no início, causa polêmicas, mas logo também trará consensos.

.....................................................................

Coração balança

O coração do ex-senador Expedito Junior (PSDB) balança entre apoiar o prefeito Hildon Chaves (PSDB) ao governo do estado em 2022, ou o senador Marcos Rogério (DEM), outro postulante declarado para a peleja. Caso decida apunhalar Hildon, pulará do PSDB para o PSD, disputando uma cadeira ao Senado. Caso, num raro caso de fidelidade política, permaneça com Hildon na disputa de 2022, fará dobradinha com o alcaide.

Mais opções

Mas com a entrada de Ivo Cassol (PP) nas paradas, ou seja, na disputa do CPA, Expedito que anda meio sumido, também poderá voltar ao antigo ninho. No passado ele fez dobradinha vitoriosa com Cassol, desfeita quando foi preterido por João Cauhla na disputa ao governo do estado na década passada. Como ambos tem conversado muito neste início do ano, nada pode ser descartado, já que Ivo entra no jogo largando na frente.  

Na liderança

Enrascados com a justiça em anos passados, o vereador Marcelo Reis (PSDB) e o deputado Jair Montes (Avante) são exemplos de reabilitação política nestas bandas. Reis, que já foi líder do prefeito petista Roberto Sobrinho e do sucessor prefeito Mauro Nazif, agora conquistou a liderança do prefeito Hildon Chaves na Câmara de Vereadores. Jair Montes, depois de conquistar a liderança na ALE pelo governo de Marcos Rocha, funciona hoje como principal articulador do governo na Assembleia Legislativa, além de emplacar importante cargo na atual mesa diretora.

Não assumiu

Pelo que se sabe até agora o professor universitário Vinicius Miguel (Cidadania), que foi candidato bem votado a prefeitura de Porto Velho no ano passado, não assumiu o cargo a ele destinado pelo prefeito Hildon Chaves (PSDB). A Vinicius seria destinada a função de Superintendente dos Distritos, uma bananosa daquelas, pois cuidar de localidades abandonadas, sem infraestrutura e carente de tudo, numa pasta de parcos recursos, é uma situação desgastante para quem busca voos mais altos na política estadual. Sua base não quer a coisa e chiou muito.

Baita fria!

A empresa JTP, quando convidada pelos expoentes tucanos para assumir o sistema de transportes coletivos em Porto Velho acreditava em muita prosperidade, atender pelo menos 60 mil passageiros ao dia e com isto, ser bem-sucedida. Mas o que sabe, é que a coisa degringolou e ela atende apenas sete mil passageiros ao dia o que não dá para pagar nem as contas do mês. Com a pandemia o buraco da empresa aumentou, já reduziu o número de ônibus e com o elevado preço da tarifa, muitos passageiros recorreram aos táxis compartilhados e até mesmo o uso de bicicletas. É coisa de louco! 

Via Direta

 

*** O Ministério da Infraestrutura confirmou o asfaltamento dos primeiros 52 quilômetros da BR 319 para o segundo semestre, mas o MPF já suspendeu tudo de novo ***A geração de empregos no sul do País vai da metalurgia, aos frigoríficos e construção civil, atraindo centenas de operários rondonienses nos últimos meses em plena pandemia *** É quase um apagão de falta de mão de obra por lá, enquanto o desemprego por aqui segue muito elevado *** No Amazonas, cujo processo de vacinação está mais adiantado, já temos  funcionários da segurança e até agentes funerários recebendo a imunização contra o corona vírus *** Rondônia está atrasada na peleja e os prefeitos estão formando consórcios para ajudar no programa nacional.

Fonte: CARLOS SPERANÇA
POLITICA & POLÍTICOS (CARLOS SPERANÇA)

Colunista político do Jornal "DIÁRIO DA AMAZÔNIA", Ex-presidente do SINJOR, Carlos Sperança Neto é colaborador do Quenoticias.com.br. E-mail: csperanca@enter-net.com.br