Por que geração Z está tirando a sobrancelha e quais os cuidados necessários para a prática

28 de julho de 2023 89

Influenciadora mostra como descolore suas sobrancelhas

À primeira vista, parece que o rosto não tem nenhum fiozinho de sobrancelha. Basta um olhar mais atento para, no entanto, notar que, na verdade, os pelos estão ali. É que, escondidos, são quase imperceptíveis.

Proposital, o visual faz parte de uma tendência estética que há meses vem surgindo no rosto de muitos jovens, sobretudo os da geração Z, os nascidos entre 1995 e 2010.

Nesta semana, o g1 publica uma série de reportagens para explicar os novos hábitos e modinhas da geração z: dos chinelos com meias e iPods às festas mais cautelosas.

A analista de influência Flávia Campos, de 23 anos — Foto: Arquivo pessoal

A analista de influência Flávia Campos, de 23 anos — Foto: Arquivo pessoal

Olhar de alienígena

"Muita gente acha horrível. Mas eu acho que fica lindo e me deixa diferenciada das pessoas", afirma a analista de influência Flávia Campos, de 23 anos.

"Dependendo do dia, penteio [os fios] para cima e parece que não tenho sobrancelha. Mas aí quando descoloro [outra vez], ela fica bem clarinha. É meio alienígena."

Flávia afirma que, além de gostar da imagem refletida no espelho, interpreta a aparência como resultado dos tempos atuais, marcados por novas camadas de discussões sobre corpo, estética e autoestima.

Fã de baladas techno, ela diz que seu visual também combina com os espaços underground que frequenta em São Paulo.

Kendall Jenner — Foto: Reprodução/ Instagram/ Kendall Jenner

Kendall Jenner — Foto: Reprodução/ Instagram/ Kendall Jenner

Franzindo a sobrancelha

 

"É encontrar no esquisito um conforto", define a analista, que aderiu à prática há pouco mais de um ano. "Agora, as pessoas têm coragem de dizer: 'não ligo para de opinião de ninguém'."

Flávia conta que é comum ouvir palpites — não solicitados — de reprovação à sua escolha, mas não só os ignora, como também não se imagina retornando à sobrancelha preta, cor natural de seus fios.

Em vez disso, diz que, talvez, decida remover área por completo. "Já raspei um pouco e deixei espetada para cima. Ficou muito chave."

 

Debaixo dos fios escondidos (ou raspados)

 

No TikTok, a busca pela hashtag BrowBleaching leva a uma série de tutoriais sobre descoloração de sobrancelha. Na maioria dos vídeos, jovens platinam seus fios para, logo em seguida, tingi-los com produtos de maquiagem da mesma tonalidade da pele.

A tendência também já apareceu em rostos famosos como os de Giovanna Grigio e Kendall Jenner.

"O que isso transmite é um estilo dramático, de ousadia e modernidade", diz a visagista, designer de sobrancelha e consultora de imagem facial Jheny Bogler.

Segundo a especialista, o visual passa uma sensação de rebeldia, o que poderia explicar seu grude entre jovens.

Conhecida por ser uma geração que abraça à fluidez de estilos e prefere falar em individualidade à coletividade, os nativos digitais que embarcam na estética dão, assim, ênfase ao seu desejo por mudanças e singularidade.

"A sobrancelha é a parte mais expressiva do nosso rosto. É nela que mostramos estar bravo, triste, feliz, assustado, com nojo, ou soberba."

Giovanna Grigio — Foto: Reprodução/Instagram/Giovanna Grigio

Giovanna Grigio — Foto: Reprodução/Instagram/Giovanna Grigio

A delicadeza do exótico

Jheny afirma que o importante, claro, é se sentir bem com a própria imagem, mas que coloração, descoloração e remoção das sobrancelhas exigem cuidados necessários à saúde facial.

O primordial, ela diz, é a nutrição do fio, já que qualquer produto pode danificá-lo a curto e a longo prazo. A recomendação da especialista é o uso de óleos nutritivos.

Ela afirma ainda que é necessário ter em mente as diferenças entre uma depilação e epilação. A primeira se faz com lâmina e afeta menos o crescimento do pelo; a outra arranca o fio pela raiz e pode comprometer a área para sempre.

Não que seja impossível, em caso de perda total dos fios, repor a sobrancelha à mostra. Para isso, lembra Jheny, existem alternativas como reconstrução do pelo e micropigmentação.

 

 

 

 

 

 

Fonte: Por Marina Lourenço, g1